quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Megarbitragem contra Petrobras será transparente


Lembra de quem aparece nesta foto histórica?

Edição Atualizada do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

A Transparência será a grande novidade da maior e mais completa Arbitragem Coletiva contra a Petrobras protocolada ontem na Bolsa de Valores (B3) pela Associação de Investidores Minoritários (AIDIMIN) – representada pelo escritório do jurista Modesto Carvalhosa. O Ministério Público terá acesso a esta mediação. Interessados terão livre acesso a todos os documentos. Tudo aberto, sem sigilo. Inédito...

O objetivo é obter indenização sobre os prejuízos decorrentes pela desvalorização do preço das ações da companhia durante os crimes fartamente apurados pela Operação Lava Jato. O novo processo de arbitragem de classe pública beneficia investidores que negociaram ações da Petrobras na B3 entre 22 de janeiro de 2010 e 28 de julho de 2015. A AIDMIN questiona a tese de que a Petrobras (Pessoa Jurídica) foi “vítima” da corrupção na Era PT.

A equipe de Modesto Carvalhosa reuniu provas de que a Petrobras deixou de apurar denúncias de investidores feitas em assembleias e nos depoimentos à Lava Jato. A empresa teria ocultado tais problemas dos acionistas e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Assim, a Petrobras fica suspeita de manipular o mercado, por informações erradas ou omitidas em seus prospectos, demonstrações financeiras, fatos relevantes e comunicados oficiais.

Carvalhosa e a AIDIMIN sustentam que a Petrobras “assumiu, expressamente, a responsabilidade pelos atos ilícitos praticados pelos seus representantes e se comprometeu a jamais negar, perante nenhuma jurisdição, esta sua responsabilidade e a veracidade dos fatos por ela confessados”, quando assinou um Acordo de Leniência com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América e com a Securities and Exchange Commission (SEC) – a xerife do mercado de capitais dos EUA.

A Megarbitragem pede que os investidores brasileiros recebem tratamento isonômico em relação aos investidores estrangeiros que já foram indenizados pela estatal brasileira nos EUA. Assim, pede-se que seja pago proporcionalmente o mesmo que foi pago na Class Action.

Vale insistir: a Petrobras confessou ter publicado informações falsas e assumiu a responsabilidade pelos atos de seus administradores no acordo de leniência que celebrou com a SEC e o Departamento de Justiça. Por este acordo a Petrobras está proibida de negar os crimes que confessou, sob pena de anular o acordo de leniência e sofrer pesadas sanções lá fora.

O escritório de Carvalhosa tem outras arbitragens movidas contra a Petrobras. Sentenças parciais podem sair até o fim do ano. Se os árbitros reconhecerem mérito no pedido, acontecerá uma perícia contábil para calcular os valores a serem indenizados aos investidores. O montante pode chegar a centenas de milhões de dólares. Já que a Petrobras indenizou lá fora, é muito provável que seja obrigada a fazer o mesmo no Brasil.

Os resultados da petrolífera, já prejudicados por anos de corrupção e desgovernança corporativa, serão fatalmente impactados. A megarbitragem também afeta os futuros planos de “privatização” e venda de ativos da Petrobras – planos da equipe econômica de Jair Bolsonaro.  
  
O caso Petrobras põe em xeque a CVM. Quando a empresa foi investigadap ela Lava Jato, nos EUA, se viu obrigada a indenizar investidores estrangeiros. Aqui, a CVM não agiu com rigor semelhante. Até agora, acionistas brasileiros só arcaram com os prejuízos da desvalorização de seus papéis.

As delações premiadas de Antônio Palocci podem jogar mais combustível na tese de que dirigentes e conselheiros da Petrobras tiveram responsabilidade direta no esquema de corrupção contra a companhia. Palocci é o arquivo vivo de muita coisa oculta ainda a ser revelada. Palocci tem todos os elementos para comprovar como a Petrobras foi “seqüestrada”.

Investidores cansaram de denunciar e comprovar (inclusive com condenação aplicada pela CVM) que o Governo da União (controlador da Petrobras) usou pseudoconselheiros, eleitos pela manipulação junto aos fundos de pensão dos empregados de “estatais” como minoritários que ajudaram a saquear a empresa.

É imperdoável que investidores minoritários (ou seriam minorotários?) tenham sido tungados, a um custo econômico elevadíssimo, só porque corruptos seqüestraram e desfiguraram o que seria uma empresa integrada de energia. A gestão temerária liquidou ativos estratégicos, que podem acabar vendidos a preço de banana.

É para reparar tudo isso que a megarbitragem tem tudo para ser um passo decisivo para o saneamento e aprimoramento do mercado de capitais no Brasil. Governança Corporativa de verdade, Transparência Total e fiscalização efetiva (sem rigor seletivo e impunidade) pela CVM.

Enfim, que a Megarbitragem faça Justiça e inaugure um novo tempo no Brasil!


Resposta (esfarrapada) da Petrobras

A Petrobras soltou com comunicado ao mercado acerca do assunto:

Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, em relação às notícias veiculadas na mídia sobre possível arbitragem coletiva movida por uma associação de investidores,  esclarece que ainda não recebeu qualquer notificação da Câmara de Arbitragem da B3, sendo certo que, caso seja notificada, adotará todas as medidas cabíveis para garantir seus interesses e de seus 
acionistas.

Cabe destacar que as autoridades brasileiras, inclusive o Supremo Tribunal Federal, reconhecem que a  Petrobras foi vítima dos atos revelados pela Operação Lava Jato. Na condição de vítima, a companhia  já recuperou mais de R$ 3,2 bilhões a título de ressarcimento no Brasil e continuará tomando as  medidas cabíveis contra todos que lhe causaram prejuízos.

A companhia ainda esclarece, como já informado ao mercado, que pelo acordo para encerramento das  investigações do Departamento de Justiça (“DOJ”) e da Securities & Exchange Commission (“SEC”) dos  Estados Unidos, o DOJ também reconhece a situação de vítima da Petrobras e a SEC reconhece a  atuação da companhia como assistente de acusação em mais de 50 ações penais no Brasil.
-----------------

Fala sério, Petrobrás... A tese da vitimização é insustentável por fatos e atitudes da companhia.

Pergunta básica 1: Por que a empresa, seus diretores, conselheiros e órgãos de controle interno  nada fizeram diante de pelo menos 20 manifestações de investidores, documentadas e com provas, chamando a atenção para a debilidade da governança corporativa e para as várias omissões e erros diante da escalada de corrupção na empresa.

Pergunta básica 2: Por que a Petrobras não entrou com ações judiciais regressivas contra seus principais dirigentes e conseheiros que, claramente, praticaram atos de corrupção ou foram omissos mesmo tomando conhecimento deles publicamente?


Pergunta 3: Por que a CVM ignorou a maior parte de mais de 60 denúncias contra a Petrobras, que foi omissa e complacente contra as aberrações cometidas por seus dirigentes?

Pergunta 4 e fatal: Por que a Petrobras, vítima ou não, pouco importa neste caso, indenizou os investidores lá de fora e segue negando o mesmo direito aos minoritários brasileiros?

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 6 de Fevereiro de 2019.

3 comentários:

Anônimo disse...

SÓ DE VER NAS PAREDES AS FOTOS DE ALGUNS DESSES EM CERTAS REPARTIÇÕES DAQUELA MESA, PERGUNTO, COMO SUPORTAM VER OS FOCINHOS DELES O TEMPO TODO?
CONTE COM AS REDES SOCIAIS DANDO TOTAL APOIO E PRESSÃO A FAVOR SEUS PROJETOS DE TIPIFICAÇÃO DE CRIMES, DR MORO!
... Que assim seja. O pacote só não agrada o PT e seus parceiros criminosos", evidente que nao, pois desde quando os anarquistas do bando martelo foice PT aceitariam, se são a propria bandidagem em si, o PCC, CV, FDN, FARC de paletó e gravata e de mais bandos predadores, se são associados?
NUNCA, JAMAIS, POIS COMUNISMO SÓ SE INSTALA NO MEIO DAS DESORDENS E COM O CAOS TOTAL DE LUTAS DE CLASSES!

Alcir disse...

Espero que Bolsonaro tenha exonerado o ministro com base em informações levantadas pelo serviço de informação do Governo. Se for através de desinformação da FSP, vai exonerar todos 22 ministros e todo primeiro escalão. FSP credibilidade zero.

Anônimo disse...

O Presidente Jair Bolsonaro mandou exonerar o Ministro do Turismo.
Será que a "Folha" fala a verdade?