domingo, 28 de abril de 2019

Brasil Macro; Argentina Macri



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

O Brasil é um País gigante, enorme, com mais de 8.5 milhões de quilometros quadrados. Há pouco comemoramos 519 anos de sua descoberta, mas o tamanho não representa a sua realidade. Problemas e mais disputas nos separam distancias inigualáveis das Nações desenvolvidas e do padrão de qualidade de vida,e renda per capita.

O desemprego descamba, a miséria corre solta pelas ruas, imóveis fechados,sem venda ou locação e foram fechados mais de 40 mil postos de trabalho.

O que diagnostica o relatório específico é que temos um Estado paquidérmico e uma economia fragilizada. São milhares de empresas em recuperação judicial e o aceno do governo para a reforma tributária é tímido e aquela previdenciária passa por teste de acompanhamento e do sermão dos deputados que brigam por maior número de emendas no orçamento do governo.

Um Brasil macro em todos os campos é o que mais se pretende e deseja. Mas como avançar se passamos quase metade do ano acertando a conta com o fisco e pagando nossas obrigações, já que o Estado leva duas ou mais décadas para responder aos precatórios, que caem no desuso e total esquecimento?

Os capitais estrangeiros sentem-se acuados em razão do gigantesco déficit público e as pessoas olham tudo com desconfiança, além do que temos um capitalismo sem concorrência e de favores. Essas circunstâncias patológicas nos levaram à um verdadeiro suicídio a autofagia da economia,e quando se constata que os banqueiros lucram 25 bilhões por ano nem sequer vinte por cento dessa montanha de dinheiro retorna para a cadeia produtiva ou melhoria dos investimentos em pesquisa ciência e tecnologia.

O Brasil adotou o modal rodoviário e é um custo avançado já que a maioria das estradas é pedagiada e  os caminhoneiros se ressentem de segurança e justo preço do frete. A tecnologia impregnada nos atrasos que se reportam ao sucateamento da máquina pública transfere a inapetência do executivo e do legislativo para o judiciário, cujo esteio é o STF que não consegue separar o joio do trigo e que permite um encarcerado dar entrevista com regalias e privilégios, antes de progredir no regime de cumprimento de sua pena.

A classe média agoniza, a classe alta da pulos de qualidade e a nossa sofrível indústria automobilística se limita a lançamentos combustíveis fósseis e com preços estratosféricos. Não é a toa que os chineses quebraram a indústria nacional que ao longo da última década teve pífio desempenho. Nossos empresários preferem a rota do Paraguai e da Bolívia do que do próprio Brasil.

Pensemos no dia do trabalho... Que um Brasil macro que encontre forças para romper com seus antagonismos e realize mutirões de colocar milhões de desempregados na atividade produtiva, única forma de minorar o trauma e desassossego social - chagas da corrupção e incompetência de gestão.

Brasil Macro. Nada de Argentina Macri!

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Autores de livros jurídicos.

Nenhum comentário: