segunda-feira, 6 de maio de 2019

Identificando o Inimigo



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O destino cruel força-me, novamente, a ensinar o Padre Nosso ao vigário.

Num ministério cheio de brilhantes militares, falar em identificar o inimigo pode soar até mesmo ofensivo.

Não obstante, venho trazer uma humilde contribuição.

Os inimigos internos são os mais perigosos. O “friendly fire” vem pelas costas. No atual governo o mais perigoso é o senhor Paulo Guedes. Por sua origem, defende a todo transe os bancos. Ainda que contra os interesses do Brasil.

A reforma da (im)Previdência é uma falácia. Não foi promessa de campanha, não foram cobrados os grandes devedores, não foi feita uma auditoria transparente,que mostraria (mostrará) ser o sistema atual superavitário pelos próximos quinze ou vinte anos. Assim sendo, NÃO é urgente.

Criar empregos e tirar quase a metade da economia da informalidade é o busílis da questão.

A Reforma Tributária é a pedra de toque do início da retomada desenvolvimentista. O Imposto Justo, com a utilização dos softwares da antiga CPMF e a imediata extinção de TODOS os demais impostos inibidores da livre iniciativa empresarial. Restariam apenas os impostos de Importação e Exportação para evitar “dumping” e desabastecimento.

O resto é pura demagogia dos inimigos fora do governo. Esses mesmos bandidos que saquearam os cofres públicos por décadas e agora posam de “bonzinhos”.

Os bancos querem desesperadamente a reforma da (im)previdência porque já perceberam que as "fintechs" vão liquidá-los. A Era da Altas Tarifas e Péssimos Serviços está com os dias contados. Só os ganhos com um novo sistema de Capitalização poderá salvá-los.

Mas saibam, ilustres oficiais generais, que o mais perigoso inimigo é o senhor Fernando Henrique Cardoso, agente principal no Brasil dos implantadores da Nova Ordem Mundial e súcubo da City de Londres.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

6 comentários:

Anônimo disse...

Absurdo!!!
Governo Bolsonaro recua e pode apoiar a volta da contribuição sindical obrigatória
Aqui: http://www.tribunadainternet.com.br/governo-bolsonaro-recua-e-pode-apoiar-a-volta-da-contribuicao-sindical-obrigatoria/
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – É inacreditável que isso esteja acontecendo. Uma das raras medidas positivas do governo está jogada literalmente no lixo, para garantir a existência de sindicatos fantasmas no país. Realmente, não dá para acreditar num governo que recua com tamanha facilidade. A filial Brazil é recordista mundial em sindicatos, com cerca de 17 mil. A matriz USA tem apenas 130 sindicatos, vejam que absurdo. E tudo isso acontece por causa da contribuição sindical obrigatória. (C.N.)

Anônimo disse...

Infelizmente o congresso já está comprado pelo governo com o aumento absurdo das emendas parlamentares aos Estados e municipios falidos. A farsa da previdencia na qual o ´proprio Bolsonaro foi engrupido pelo Paulo Guedes arauto dos banqueiros, com a famigerada capitalização pelos bancos dos recursos do INSS, agora ataca tambem os aposentados com a corda no pescoço, propondo um financiamento as avessas ficado com o patrimonio dos coitados e pagando uma misera pensão aos mesmos pelo resto da vida.Com esse patrimonio dos aposentados transforma-os em leilões e com esse dinheiro, os bancos continuarão achacando com juros extorsivos os cidadãos inadimplentes. Se o Bolsonaro continuar com essas medidas populistas com o povão como eliminação do horario de verão aumento dos pontos de 20 para 40 pontos dos motoristas infratores e carteiras de motoristas válidas por 20 anos, e suas promessas de campanha de correção da tabela do IR etc, serão levadas pelo vento e o vice general Mourão cada dia que passa se mostra mais competente para substitui-lo, se o imposto sindical voltar ser obrigatorio aos trabalhadores, para os sindicatos pelegos.

Anônimo disse...

Para o risco de o governo não poder pagar os salários a partir de junho, a solução não é a reforma da previdência (solução definitiva para um problema temporário), mas temporariamente reduzir os proventos de TODOS a um salário básico até que a situação econômica melhore a partir da dinamização da economia.
Urgente: Brasil atingiu estado crítico. Precisamos agir agora! (Daniel Lopez)
https://www.youtube.com/watch?v=j0VckAfC69U

Anônimo disse...

Deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança: "Os militares se tornaram globalistas. A lealdade deles é regional, é à América Latina, à África. É como a ONU vê o Brasil. Coisas mais importantes são deixadas de lado. Não querem cuidar de fronteira, de temas transnacionais. No caso da agenda moralizante, são um corpo resistor. Resistem à mudança na área educacional, por exemplo. O Olavo é um cara que está jogando luz nessas características. A população acha que os militares são conservadores. Não é verdade. Eles são estatizantes, têm muita proximidade com o PT. Qual é a proposta global da direita hoje? Não existe. A ONU é de esquerda, a União Europeia é de esquerda, o Foro de São Paulo é de esquerda."
http://aluizioamorim.blogspot.com/2019/05/militares-nao-sao-conservadores-tem.html

aparecido disse...

Guedes não faz nada.. nem o corte do Sistema S notoriamente escandaloso ele conseguiu.. nana de nada..melhoe ir pra casa...o Bolsonaro deve contratar um general americano para o cargo.. daqueles que já foi a guerra e passa fogo fácil...a solução é por ai... a coisa não anda nem a frente nem para tras e nem para os lados.. entalada no brejo a economia está...

Anônimo disse...

Ser governado significa ser observado, inspecionado, espionado, dirigido, legislado, regulamentado, cercado, doutrinado, admoestado, controlado, avaliado, censurado, comandado; e por criaturas que para isso não tem o direito, nem a sabedoria, nem a virtude.
Ser governado significa que todo movimento, operação ou transação que realizamos é anotada, registrada, catalogado em censos, taxada, selada, avaliada monetariamente, patenteada, licenciada, autorizada, recomendada ou desaconselhada, frustrada, reformada, endireitada, corrigida.
Submeter-se ao governo significa consentir em ser tributado, treinado, redimido, explorado, monopolizado, extorquido, pressionado, mistificado, roubado; tudo isso em nome da utilidade pública e do bem comum. Então, ao primeiro sinal de resistência, à primeira palavra de protesto, somos reprimidos, multados, desprezados, humilhados, perseguidos, empurrados, espancados, garroteados, aprisionados, fuzilados, metralhados, julgados, sentenciados, deportados, sacrificados, vendidos, traídos e, para completar, ridicularizados, escarnecidos, ultrajados e
desonrados.
Isso é o governo, essa é a sua justiça e sua moralidade!
Aquele que botar as mãos sobre mim, para me governar, é um usurpador, um tirano.
Eu o declaro meu inimigo.
Políticos são bandidos. Partidos são gangues. Governo é quadrilha. Bancos são agiotas, usurários e lavadores de dinheiro. Imposto é extorsão / roubo. Sonegar é legítima defesa. Sindicatos são máfias. Jornalistas são propagandistas e agentes de influência. Professores, padres, pastores e sacerdotes são lavadores de cérebros. Comércio e indústria são reféns de sindicatos. Generais, juízes e promotores são maçons. Países são narcoestados e maiores assassinos em massa da humanidade.