terça-feira, 18 de junho de 2019

A coisa ficou russa para o Crime Institucionalizado



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Mamãe era comunista... Só que tinha uma bronca terrível da falecida União Soviética... A Maria da Conceição chamava o regime russo de “Ditadura Assassina que cuidava de um Monstro Estatal”... Ela me ensinou isto quando tinha 13 anos de idade... Perdi minha mãe aos 14, e não tive outro jeito na vida a não ser estudar muito – principalmente História... Dediquei muita leitura ao Nazifascismo, ao Comunismo e ao nosso Estado Novo. Em resumo, tomei aversão de autoritarismo e totalitarismo, sob controle estatal centralizadíssimo, quase imperial.

Bruzundanga parece a réplica mais que imperfeita e tropical da extinta (?) União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Vivemos em um País Capimunista. Somos hoje a resultante de uma mistura doida do modelo gerado a partir do Estado Novo da Era Vargas – que tentou organizar, pela via autoritária, uma República que não conseguiu ser implantada, de verdade, pelo golpe militar que derrubou o Império em 15 de novembro de 1889 – com a influência de idéias e práticas socializantes da mais estúpida “estadodependência”. Toda esta mistura sob a polarização extremista mais idiota do universo...

Além dessa radicalização, a novidade trágica do momento presente é o emprego cínico da ideologia para “justificar” privilégios estatais e a roubalheira institucionalizada. Outra boa nova é que os segmentos esclarecidos da sociedade já percebem como funciona tal mecanismo. Os prejudicados demandam um ataque direto a quem usa a política como meio criminoso. Melhor que tudo isso são as novas ideias e práticas que vão surgir a partir dos embates radicalóides. Extremos jurássicos fazem o papel de Imbecis da História, com tendência de autodestruição até a extinção.

Por isso, a gente só pode rir até renascer com a notícia de que a ex-Presidenta Dilma Rousseff, e a Presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, fizeram uma visita “secreta” à Rússia, entre os dias 4 e 5 de junho. As kamaradas tupiniquins se reuniram com dirigentes do velho Partido Comunista Russo. O curioso é que o fato aconteceu cinco dias antes do IntercePT Glenn Greenwald veicular seus ataques criminosos, vazando conversas espionadas sobre o Telegram de Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e demais integrantes da Força Tarefa da Lava Jato. A aventura russa é noticiada em http://duma.gov.ru/en/news/45218/         

Ainda bem que o #PavãoMisterioso revelou que tudo foi captado pelo hacker russo Evgeniy Mikhailovich Bogachev, também conhecido como Slavic. O cara, um dos mais procurados do mundo, agiria, movido a muita grana em criptomoedas, em favor do serviço secreto russo. Slavic teria recebido 84 BTC (Bitcoins) que foram convertidos para US$ 308 mil e enviados para um banco no Panamá, convertido para Ethereum e de lá para contas na Rússia e China.

Os russos devem ser muito otários em acreditar que Dilma e Gleisi tenham competência e condições de retomar o projeto de implantação do socialismo/comunista no Brasil. Será que as bruxas da petelândia conseguiram enganar os comunas velhacos da extinta União Soviética? É ruim... Ainda mais que o comunismo criminoso nunca esteve tão em baixa e tão bem combatido pela Lava Jato e afins.

A Polícia Federal do Brasil vai pegar pesado contra o esquema IntercePT e facção criminosa esquerdista vai se desmoralizar ainda mais... O que se espera é que os segmentos conservadores não insistam na tática errática de combater os idiotas com as próprias armas deles, apenas ampliando o clima de radicalização no Brasil, sem apontar e colocar em prática soluções alternativas ao Capimunismo Rentista, Criminoso e “Estadodependente”.

Felizmente, a coisa está russa para o Crime Institucionalizado no Brasil. A Política precisa ser saneada, pois não pode ficar, por muito mais tempo, como uma “questão de polícia”. O que vem por aí, na guerra de todos contra todos, será maravilhoso para o presente-do-futuro no Brasil. Militantes meliantes, vocês vão se ferrar...

Resumindo: Quem tentou sabotar a Lava Jato parece que conseguiu fortalecer o combate ao Crime Institucionalizado. Parabéns, Kamaradas!!!

Aliás, o comunismo internacional vai mesmo à falência completa... Imagina  depender da competência da Dilma e da Gleisi para avançar... Lênin já rolou 13 vezes no túmulo, de tanta vergonha...  







© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 18 de Junho de 2019.

O começo do Começo



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Ufa! Alvíssaras! Até que enfim nosso querido Mito começou a governar.

Em breve continuará a montar seu “dream team”. Afastará os que só chutam com a canhota, os que só contam lorota e também o enrustido idiota.

No princípio agiu como prudente marmota. Punha a cara de fora para sentir a temperatura, até não ter mais dúvida de ter chegado a primavera.

Falta cumprir algumas promessas de campanha, tal como a isenção de Imposto sobre a Renda em salários de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais mensais).

Lembre-se do célebre ditado romano: “Pactum meum dictum” (em francês, fica mais chique: “Ma parole, ma foi”. Em português: “Minha palavra é minha fé”.

Voltamos à era do Fio de Bigode (virtual!).

Mijou fora do penico sai pagando mico.

Esse é o poder da caneta de plástico, quando bem usada.

Terror dos melancias e da explícita porcada.

Entremos, agora, no escorregadio terreno das simpatias:

O bolo fofo, abomino!

O “mágico” da Economia teria vendido sua alma desde a batismal pia.

Se os amáveis leitores, dedicarem alguns minutos para pensar as atividades daninhas dos bancos, verificarão que emprestam o dinheiro dos depositantes, sem autorização dos mesmos, criam uma série de restrições ilegais para quem pretende retirar seu próprio dinheiro.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Moro foi independente e imparcial



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Luiz Carlos Dias Torres

Tenho acompanhado essa polêmica toda a respeito das mensagens trocadas entre a força-tarefa da Lava Jato com o então juiz e atual ministro da Justiça, Dr. Sérgio Moro. Estou absolutamente surpreso! Porém, a última coisa que me surpreende é o teor das mensagens trocadas entre o MPF e o juiz da causa.

Quem advoga na área criminal está mais do que acostumado com essa proximidade entre o juiz e o promotor. Ela é até natural. Afinal, ambos trabalham juntos, fazem audiências todos os dias, durante tardes inteiras. Tanto juiz como promotor são funcionários públicos. Normalmente são pessoas que optaram por essas carreiras com ideais de contribuir para um país e um mundo mais justo; que, em muitas vezes, se traduz em punir os culpados.

Aliás, isso não é de hoje. Desde muito existe esse tipo de entendimento entre o acusador e o julgador. Só que antes, ela acontecia presencialmente, na sala de audiências, no gabinete do juiz, no cafezinho do Fórum, etc. Hoje em dia, com os avanços da tecnologia, ela ocorre pelos aplicativos de mensagem.

O problema maior se dá quando essa proximidade e essa identidade de ideias e ideais contamina a imparcialidade do juiz. Novamente: quem advoga na área criminal está muito habituado a esse tipo de situação, onde a imparcialidade do juiz está totalmente comprometida por essa proximidade com o órgão da acusação, que é tão parte quanto a defesa no processo criminal.

Não é o caso do juiz Sérgio Moro. Tive a oportunidade de atuar em vários casos da chamada Operação Lava Jato, de casos relativamente comuns até casos mais sensíveis, como o do triplex e o do sítio de Atibaia.
Nosso primeiro cliente era uma pessoa ligada a uma das figuras centrais dessa história – o doleiro Alberto Youssef, velho conhecido da Justiça Criminal do Paraná.

O Ministério Público Federal denunciou e, nas alegações finais, pediu a condenação do nosso cliente. O Dr. Sérgio Moro, de forma independente e imparcial, absolveu nosso cliente.

Depois, representamos um importante executivo da OAS em vários processos.

No caso do triplex, mesmo sem acordo de colaboração firmado com o MPF, o Dr. Sérgio moro reconheceu a contribuição de nosso cliente para o esclarecimento da verdade e aplicou os benefícios da colaboração. O MPF teve de recorrer da decisão.

Mais para frente, foi a vez do processo que versava sobre as obras do Cenpes no RJ. Novamente, o Dr. Sérgio Moro, contrariando os pleitos da acusação, reduziu a pena de nosso cliente ante a sua contribuição para o esclarecimento da verdade, mesmo sem um acordo de colaboração firmado com o MPF. Novamente o MPF teve que recorrer dessa decisão.

Mudou o juiz, mas não mudou a independência e imparcialidade do Juízo da 13.ª Vara Federal de Curitiba. No caso do sítio de Atibaia, a Dra. Gabriela Hardt, inobstante o pedido de condenação formulado pelo MPF, absolveu nosso cliente de uma das acusações e extinguiu o processo em relação à outra acusação. Novamente o MPF recorreu da decisão. Lamentavelmente, vi pouca ou quase nenhuma repercussão dessa decisão na imprensa…

Assim, pelo menos na minha experiência, nunca houve comprometimento da imparcialidade do juiz nos casos da Lava Jato em que atuei. E toda vez que procurei o Dr. Sérgio Moro para despachar, sempre fui recebido com atenção e respeito. Nunca precisei do Telegram do juiz Sérgio Moro para poder falar com ele.

O que ficou muito evidente para mim na conduta do Dr. Sérgio Moro foi sua obsessão pela apuração da verdade. E, afinal de contas, é para isso que serve o processo penal.

Todo processualista sabe que a verdade real está acima da verdade formal. E foi por fazer essa leitura do juiz que definimos que a melhor tática de defesa seria contribuir para o esclarecimento da verdade, que, diga-se de passagem, veio à tona por muitos e muitos outros elementos de prova, tais como perícias, testemunhos, documentos, informações decorrentes de quebra de sigilo telemático, telefônico e bancário, etc.

Nessa história toda, me causa grande perplexidade ver que algum hacker tem a coragem e a petulância de invadir a privacidade do ministro da Justiça e de integrantes da força-tarefa da Lava Jato e que essa questão fique em segundo plano! Isso é gravíssimo! Autoridades da maior importância tiveram seus telefones invadidos e as pessoas parecem não se aperceber da seriedade disso. Trata-se de crime grave e a identificação e punição dos envolvidos deveria estar em primeiro lugar na ordem do dia.

Hoje, um site qualquer que tenha ligação com o mundo do crime – e hackers são criminosos, não nos esqueçamos disso – dá voz irrestrita àqueles que têm a audácia de hackear os celulares do ministro da Justiça e de procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato.
Quem passou essas informações para o jornalista? Como ele teve acesso a elas? Se o jornalista for perguntado, certamente vai e deve alegar que tem direito ao sigilo da fonte.

A inversão de valores que estamos vivendo é de deixar qualquer pessoa de bem completamente estarrecida. As pessoas que trabalham para fazer com que os criminosos paguem por seus crimes, são condenadas. Enquanto isso, o sigilo (da fonte) vale para proteger a identidade de criminosos audazes, mas o sigilo (das comunicações) pode ser atropelado se for para expor autoridades altamente respeitadas ao juízo (leigo) da opinião pública. É isso mesmo ou eu perdi alguma parte dessa história?!?

O que mais me deixa espantado nisso tudo é que a imprensa supostamente séria presta mais atenção no conteúdo das mensagens trocadas – que revelam nada mais do que a praxe forense de sempre – do que no crime praticado contra importantes autoridades da República.

No fim, realmente tem muita coisa surpreendente nesse episódio todo. A única coisa que não causa surpresa alguma é o teor das mensagens trocadas entre a força-tarefa da Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro.

Luís Carlos Dias Torres é Advogado.

Um Tiro na Lava Jato


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gaudêncio Torquato

Mais uma vez, o Senhor Imponderável dos Anjos faz uma visita ao nosso roçado político-institucional. Desta feita, para dar um susto no aclamado ministro da Justiça do Governo Bolsonaro, Sérgio Moro, e puxar o tapete onde desfila, impávido, um dos mais estridentes acusadores da Operação Lava Jato, o procurador do Ministério Público, Deltan Dallagnol.
As duas midiáticas figuras tiveram conversas publicadas no site The Intercept Brasil, criado pelo jornalista investigativo norte-americano Glenn Greenwald, também conhecido por ter ajudado o ex-analista de sistemas Edward Snowden a revelar informações secretas da Agência de Segurança Nacional dos EUA.
O vazamento puxa para baixo do alto pedestal o ex-juiz Moro, cuja interlocução com Dallagnol aponta para certa combinação de comportamentos. Ora, nem o julgador nem o acusador podem ajustar posicionamentos sobre casos em investigação, muito menos anunciar eventuais caminhos a seguir. Foi o que aconteceu no caso da investigação do ex-presidente Lula, quando Dallagnol tinha dúvidas sobre a solidez de provas contra ele na primeira denúncia em 2016. Houve uma espécie de consulta ao juiz, que teria sugerido ao procurador seguir em frente.
Estrela mais brilhante da constelação Lava Jato, Moro ganhou aplausos da sociedade. Tornou-se ícone da Moral, a ponto de ser elevado ao patamar de presidenciável,  posição que deve sustentar seja qual for o desfecho do caso do vazamento. Conseguirá o ex-juiz se livrar da enroscada em que foi jogado por hackers que teriam invadido a rede Telegram de membros do MP? Há grande expectativa sobre o resultado das investigações que começam a ser feitas pela PF (sob o comando de Moro). A depender de novas mensagens prometidas pelos “invasores”, o imbróglio tem potencial para ir longe.
A frente política faz barreiras contra o ex-juiz. Parlamentares tentam formar uma CPI para apurar ilicitude em sua conduta, mas os presidentes da Câmara e do Senado se opõem. Moro era uma pedra no sapato de políticos envolvidos em embaraços.  Portanto, há interesse em fechar a torneira da Lava Jato.
O que pode acontecer? Vejamos: a) comprovação de atitudes antiéticas e reprimenda ao ministro, sem maiores consequências; b) anulação das decisões do juiz pelo STF, com os votos da maioria do plenário (mas como ficariam as condenações nas instâncias superiores?); c) saída de Moro do ministério. Qual seja o desfecho, a imagem do ministro da Justiça está arranhada. A chance de chegar ao STF perde força. Outro lado da historia: seu exército de admiradores fará contundente defesa nas redes sociais, enfrentando as linhas de opositores lideradas pelo PT, com sua trombeta denunciando sua parcialidade.  Fora ou dentro do governo, Moro não perderá a condição de “guerreiro da moral”, permanecendo no ranking presidencial de 2022.
Quanto a Dallagnol, as alternativas são: a) apuração da conduta pelo CMP, com afastamento do cargo na Lava Jato; b) ligeira reprimenda, sem maiores consequências. O juiz e o procurador levantam a tese do crime de “invasão de privacidade”, a par do fato de que a interlocução, com frases apartadas do contexto, não aponta para combinações. 
O maior ganho será de Lula, cuja posição de vítima de perseguição por parte de Moro e dos procuradores será esbravejada pelo PT. Lula tende a reocupar o centro do oposicionismo, enquanto a galera das ruas fará eco à sua condição de injustiçado. Se continuar preso, terá reforçada a pressão por  liberdade. Se não for condenado em 2ª instância no caso do sítio de Atibaia até setembro, adquire o direito de prisão em regime semiaberto ou domiciliar. O PT, glorioso, antecipa o discurso eleitoral de 2022. 
Quanto ao presidente Bolsonaro, a inferência é a de que o tiroteio sobre o ministro da Justiça, um dos dois maiores pilares da administração - o outro é o ministro Paulo Guedes -, abre fissura no costado governamental, mas não compromete sua imagem. E o futuro? Há duas visões: a) com a imagem arranhada, Moro perderia a nomeação ao Supremo em novembro de 2020, quando Celso de Melo se aposentar; b) Bolsonaro bancará a promessa, tirando-o do páreo presidencial. O fato é que o ministro continuará a ter o apoio social, podendo até arriscar-se a um voo solo na direção do Palácio do Planalto.  Difícil adivinhar para onde a biruta apontará.
Resumo: seja qual for a trajetória de Moro e Dallagnol, a Lava Jato levou um tiro. 
Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato

Existe Privacidade na Internet?

Antoine

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antoine Youssef Kamel

Há um princípio na área da segurança militar que diz: o ataque está sempre à frente da defesa. Em termos práticos, o avião de guerra com a melhor blindagem pode resistir à artilharia antiaérea, mas não permanecerá no ar se o inimigo tiver a melhor arma. Em outras palavras, enquanto se prepara uma proteção contra a arma mais poderosa atualmente, o desenvolvimento bélico já terá dado um passo à frente e, contra o mais novo ataque, a defesa estará despreparada. Assim, o ataque será sempre mais forte do que a defesa.

Esse princípio vale também para a segurança digital, a segurança na internet. Na verdade, o princípio da segurança na internet é: ‘se querem uma informação sobre você, e você está conectado à internet, vão conseguir essa informação’.

A questão é: quantas pessoas estão preocupadas em saber alguma coisa sobre você, sobre a sua vida?

Um usuário comum da internet — eu e possivelmente você, por exemplo —, mesmo com cuidados de navegação e precauções básicas esperadas, não está livre de ter invadida aquilo que considera sua privacidade on-line. Um hacker conseguiria burlar a segurança desse usuário e ter acesso a contas de serviços on-line se tivesse interesse. Basta lembrar de autoridades que tiveram contas ou dispositivos invadidos, ou de personalidades cujas fotografias íntimas foram acessadas e publicadas sem autorização.

Não importa o grau de confidencialidade de uma informação, o ataque está sempre um passo — pelo menos um passo — à frente da defesa.

Na divulgação das conversas entre o juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, por exemplo, foi mencionado o aplicativo de mensagens utilizado. Esse aplicativo utiliza comunicação criptografada, o que o torna relativamente seguro. 

Ainda que não tenha havido nenhuma falha de segurança no aplicativo que permitisse acesso ao conteúdo por terceiros (hackers), as informações podem ter sido divulgadas por algum dos envolvidos nas conversas. Mesmo que mensagens transmitidas on-line fossem literalmente impossíveis de serem interceptadas e decifradas (o que não são), se o inimigo estiver na linha, ele não precisa burlar nenhuma medida de segurança para ter acesso.

Ademais, ainda que os interlocutores sejam confiáveis, de nada adianta ter os melhores recursos tecnológicos de segurança digital de comunicação se os aparelhos que trazem o conteúdo não são também protegidos por senha e criptografia, ou se são emprestados para alguém, furtados ou roubados. Melhor ainda, que as mensagens sejam lidas e apagadas, sem backup nenhum, diminuindo a chance de outras pessoas terem acesso a elas — com o contraponto de o usuário também perder a sua própria mensagem, ficando apenas em sua própria memória.

Pode ser que hoje ninguém queira saber algo sobre nós, e assim nos sentimos seguros. Mas um hacker experiente pode devassar o conteúdo da vida que demonstramos on-line, na internet, mesmo que pensemos que estamos compartilhando apenas com amigos ou que só estejamos guardando para nós mesmos. 

Assim, a privacidade na internet não é um mito, mas é praticamente impossível.

O teclado inteligente que temos no celular, que nos corrige e sugere palavras, consegue esse feito porque captura e guarda tudo o que digitamos. O servidor gratuito em que guardamos nossas fotos, vídeos e documentos de toda espécie (Dropbox, Google Drive, OneDrive), tem por trás uma grande empresa, e sabemos o que move as empresas. Se nossos dados estão seguros ali, é porque hoje, para elas, a imagem positiva no mercado e a informação que guardam para si rendem mais dividendos (dão mais lucro) do que vazar na internet o conteúdo de seus usuários.

A atitude correta frente à incerteza da segurança digital é uma só: não tenhamos algo a esconder.

Pois se divulgarem tudo que temos e tudo que fazemos na internet, nossas fotos, nosso histórico de navegação, nossas mensagens familiares, no máximo conheçam os quatro cantos de nossa casa, saibam onde passamos as férias, vejam fotos de nossos filhos brincando, deem risada de nossas discussões em grupos de trabalho e estranhem como nos divertimos com coisas simples. E, no fim, apenas passemos receio e vergonha pela abertura de nossa vida, mas que nada nela e, especialmente, nada do que registramos eletronicamente, possa ser uma arma contra nós.

Mário Quintana já disse: “Sorri com tranquilidade/ Quando alguém te calunia/ Quem sabe o que não seria Se ele dissesse a verdade...” (poema Da Calúnia)

Antoine Youssef Kamel é coordenador adjunto do curso superior tecnológico em Investigação Profissional do Centro Universitário Internacional Uninter.

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Bolsonaro só tem de entregar o que prometeu


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Na hora em que o Presidente Jair Messias Bolsonaro for reconhecido e respeitado por sua efetiva capacidade de gestão, realizando uma agenda objetiva, percebida como positiva pela maioria da população, ele não terá problemas com a “oposição”, e o Brasil terá chance de avançar de verdade. Enquanto isso não ocorrer, o Presidente vai receber muita crítica destrutiva – e quase nenhuma construtiva.

Integrantes do governo ressalvam que Bolsonaro já fez e conseguiu muita coisa boa em seus seis meses de gestão. Por que tudo não está sendo divulgado, de modo oficial e institucional, principalmente nas redes sociais, espaço em que têm hegemonia os formadores de opinião que apóiam Bolsonaro? A Comunicação governamental pode melhorar muito. Da mesma forma como pode ganhar uma dimensão estratégica a relação com a imprensa e os meios de comunicação tradicionais – inclusive os considerados “inimigos”.

É preciso tirar vantagem estratégica do comportamento emocional, reativo, imediato, sincero, humilde e imprevisível do personagem Jair Bolsonaro. O Presidente, no entanto, precisa de uma maior colaboração de seus ministros na execução de realizações positivas. O time tem de vencer. Quem não estiver jogando direito precisa ser substituído urgentemente. O governo já se atrasa com o erro tático, imperdoável, de esperar pela reforma da previdência, para que o resto de bom seja viabilizado. O “treinador” Bolsonaro tem de mexer na equipe.

Resumindo: É fundamental acelerar os resultados e, mais depressa ainda, aceitar e corrigir erros bizarros. Quem votou em Bolsonaro espera dele bons resultados. Nada mais além disso. Assim, é mais importante realizar do que perder tempo em bate-boca com a esquerdalha. A única vitória efetiva contra a oposição será com realizações objetivas, e não com discursos de guerra, por mais justos que eles possam parecer.
Enfim, espera-se que Bolsonaro governe e entregue resultados, sobretudo na economia! Bolsonaro só tem de entregar o que prometeu na campanha. O resto é figuração...

O Presidente deve aproveitar que a esquerda sairá ainda mais desmoralizada do canalha ataque a Sérgio Moro e à Lava Jato no criminoso caso IntercePT...

O grupo de hackers Pavão Misterioso fez um trabalho magnífico para desmoralizar a armação do Glenn Greenwald.

Só restará a ele soltar a franga e constatar que se transformou em um mero Peru de Natal - um idiota que morre de véspera...


Releia o artigo de domingo: Começa a leve fritura de Guedes?


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 17 de Junho de 2019.

Desarmando Confusões


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Sant’Ana

Uma coisa é não gostar de armas. Outra é ser contra o direito de autodefesa daqueles que, aptos a fazê-lo, optam por ter uma arma. Você pode falar "jamais terei arma", é seu direito de escolha. Nem por isso terá razão de querer que todos estejam obrigados a fazer o mesmo.

Está visto que o governo é muito competente para desarmar quem vive na legalidade, ao passo que simplesmente não consegue desarmar o crime. Quando, em 2005, a população honesta ficou proibida de se defender, o que o governo Lula fez foi dar, à bandidagem, o "monopólio das armas", tornando o crime uma "profissão" de baixíssimo risco. Haverá dúvidas de que criminosos preferem manter a proibição?

O pessoalzinho do grêmio estudantil logo vai ironizar: "Ah, vamos dar uma arma pra cada um..." Não! Ninguém (ninguém!) está propondo uma irrestrita distribuição de armas. O que se pretende é, por um lado, que pessoas aptas, assim desejando, possam prover sua defesa. E, por outro, que os bandidos não tenham mais a segurança de saber que as vítimas estão desarmadas e vulneráveis.

De sã consciência, ninguém acredita que se ataca a complexidade da violência apenas armando os cidadãos. Entretanto, não há como negar que, por exemplo, assaltos e roubos a propriedades rurais (onde policiamento não há) vão diminuir drasticamente quando as vítimas potenciais recuperarem o direito de se defender.

O fato inelutável é que, hoje, assaltantes e ladrões em geral agem na presunção de que as vítimas estão indefesas e não oferecem risco, impedidas de reagir. Por enquanto, bandidos não têm muito a temer.

E como chegamos a isso? Em 2005, houve o Referendo Nacional Pelo Comércio de Armas e Munição. O povo votou contra o desarmamento (e a favor do direito de autodefesa). Mas o governo petista, como sempre, mandou o povo às favas, desarmou a população e fez do banditismo uma "profissão" de baixo risco.

E aqui está uma verdade que não aparece nos jornalões: o desarmamento de 2005 foi a aplicação de diretrizes de uma organização internacional, o nefasto Foro de São Paulo (FSP). Para que se tenha ideia, o mesmo ocorreu na Venezuela, onde, como aqui, contrariando o discurso dos governos bolivarianos, a violência só aumentou.

Na Venezuela, aliás, o projeto do FSP foi mais longe: hoje a população desarmada tem de suportar as "milícias chavistas", militantes do partido governista, bandidos oficiais que, portando armas longas e pilotando motocicletas, controlam a população.

Felizmente, a venezuelização do Brasil ficou pela metade. Mas é fato que muitas pessoas de boa-fé e alheias ao FSP ainda alimentam crenças que a
propaganda governista de 2005 lhes enfiou na cabeça.

Apesar disso, embora contra a proibição em vigor, a maior parte da população não pretende armar-se. E é bom que assim seja. Inadmissível é que, não havendo suficiente proteção estatal, as pessoas aptas não possam defender-se a si nem aos seus (com os bandidos sabendo disso!).

Mas convém, sim, que o assunto seja tratado com rigor: nem todo mundo tem condições de portar uma arma. O que é repudiável é a proibição indiscriminada, que, ao contrário do que afirma o esquerdismo, tornou o Brasil um dos países mais violentos.

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo.

Chacoalhada



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Não, amáveis leitores de menos de trinta anos (se houver algum), não se trata de chá+ coalhada.

A imagem é de um “golden retriever” peludo que acaba de sair da piscina.
Chacoalhar-se-á para tirar o excesso de água em seus pelos.

É isso que acontece no Brasil de hoje. O novo governo está se livrando os sabotadores já identificados.

De nada adianta a indignaÇão de um antigo funcionário de soros-negativos.

Serviu à quadrilha defenestrada nas urnas, não pode fazer parte da equipe do Mito. Leviano é o que pensa ao contrário.

O cão egresso estrebucha. Morrerá de fome como se venezuelano fosse. Sem ração da marca Propina (ou quase isso) não saberá voltar aos tempos de roer osso.

Conclamo a todos patriotas que deixem de se referir aos “anjos” caídos.

Lembrem-se do ditado: “Falem bem ou mal, mas falem de mim!”.

No dia que forem ignorados pela população ordeira e trabalhadora, perderão sua capacidade intimidatória.

No mais, “tout va bien madame la marquise!”

Nada como um mouro apoiado num mourão de aroeira.

O resto é besteira.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

República dos Velhacos



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Maria Lucia Victor Barbosa

Em um país como o nosso, onde o crime compensa largamente, era de se esperar que recrudescesse o embate entre a República dos Velhacos,  que tenta voltar ao poder e  almeja soltar o velhaco mor,  e a República de Curitiba composta pelo então juiz e hoje ministro Sérgio Moro, pelos procuradores da força-tarefa da Lava jato e pela Polícia Federal.

Quando o juiz competente, íntegro, de moral ilibada deixou sua brilhante carreira para se tornar ministro, certamente não buscou poder pessoal, mas sonhou que o cargo lhe daria mais possibilidade de continuar sua incansável luta contra a corrupção.

Como ministro Moro apresentou um projeto anticrime que está parado no Congresso e que dificilmente será aprovado por certos parlamentares envolvidos na Lava Jato. O projeto também foi bombardeado pela OAB, por grupos de advogados, de juízes, de juristas e criticado no STF. Além disso ele perdeu a COAF, órgão através do qual poderia outrossim combater o crime organizado.

Aliás, estamos vivendo numa espécie de parlamentarismo na medida em que o Legislativo esvaziou o poder do Executivo engessando projetos e atos presidenciais. A última prova disso foi o texto da reforma da Previdência apresentada pelo relator Samuel Moreira, que atendeu de tal forma o lobby dos servidores e a oposição tangida pelo PT que a recente greve geral, além de ter sido mais uma vez um fracasso retumbante perdeu inteiramente o foco. Afinal, a reforma da Previdência está do jeito que eles querem.

No momento é evidente a costumeira politização do Direito, o que fica claro na maneira de tratar a trama sórdida que surgiu no afã de libertar o hóspede de honra da Polícia Federal em Curitiba, destruir o ministro Moro e acabar com o Lava Jato. Trata-se da ação do site The IntercePT Brasil, dirigido pelo americano Glenn Greeewald, que hackeou ou mandou hackear conversas informais entre o então juiz Moro e o procurador e coordenador da lava jato, Daltan Dallagnol, supostamente feitas entre 2015 e 2017.

Foram pinçados criminosamente trechos de supostas falas de um contexto que não se conhece na íntegra, porém isso bastou para que a República dos Velhacos, adeptos do crime e da impunidade acendessem a fogueira da Inquisição para queimar a reputação do ministro e incinerar a Lava Jato.

Curiosamente, a divulgação dos áudios adulterados surgiu dia 9. Dia 10 o ministro Gilmar Mendes do STF liberou para dia 25 o milionésimo pedido de liberdade para o hóspede de honra da cobertura da Polícia Federal em Curitiba.  Dia 14, no gabinete do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, materializou-se o advogado do presidiário da cobertura da PF de onde o condenado dá entrevistas e recebe quem quer. Cristiano Zanin certamente não foi tomar chá com Fachin. Aí pode?

Recordemos apenas dois fatos entre muitos para não alongar demais o artigo, que aconteceram sem nenhuma aparição de hackers ou gritaria do   judiciário que se diz rigorosamente imparcial:

1º) O desfecho do impeachment de Dilma Rousseff, quando o então presidente do Supremo Ricardo Lewandowski, juntamente com o ex-presidente do Senado, portanto do Congresso, Renan Calheiros, rasgou a Constituição ao manter os direitos políticos da destituída senhora. Ninguém reclamou.

2º) A presença do ministro Toffoli no julgamento do mensalão apesar de ter trabalhado como advogado para outro indigitado: José Dirceu. Em momento nenhum o ministro se considerou impedido ou pessoas o julgaram parcial.

Outra coisa que ressalta é a pressa com que querem condenar e pedir a saída do Ministro Moro, sem conhecimento do teor da matéria que é fragmentada e obtida criminosamente. E se alguém da República dos Velhacos também estiver em envolvido na escuta de um hacker, como é que fica? Normal?

Essa pressa em pedir a cabeça do ministro contrasta enormemente com o julgamento do velhaco mor, que se arrastou por longo tempo com o objetivo de obter provas irrefutáveis de crimes depois confirmadas por outros tribunais superiores ao da Primeira Instância. Ao final ainda tivemos o espetáculo da prisão no Sindicato de São Bernardo, uma ópera bufa onde não faltou até uma “missa negra”.

Como sempre resta a esperança acreditemos que vencerá não a República dos velhacos, mas, sim, a República de Curitiba. In Moro we trust.

Maria Lucia Victor Barbosa é Socióloga - mlucia@sercomtel.com.br

Importância da Imprensa



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por William Douglas

Citarei três casos e depois comentarei.

Caso 1.

A imprensa publica foto do juiz Marcelo Bretas em uma academia, dizendo que de lá acompanhou diligências policiais. *Óbvia insinuação de que o juiz não estava no local de trabalho.* Só faltou dizer que não era horário de expediente, foi entre 6 e 8 da manhã.

Caso 2.

A imprensa noticia que o Presidente nomeou um pastor presbiteriano para a Comissão de Ética. Só faltou dizer que o nomeado, entre outras qualificações, é *Doutor pela USP, Mestre pela Mackenzie, instituição onde já foi Reitor. Esqueceu de dizer que é advogado e membro do conselho deliberativo da Santa Casa de Santos.

Caso 3.

Rubens Teixeira, mais de uma vez nomeado para  relevantes cargos públicos, foi anunciado unicamente como “pastor da Assembleia de Deus”. A mídia só não disse que ele é *Doutor em Economia (UFF), Mestre em Engenharia Nuclear (IME) e bacharel em Engenharia Civil (IME), Direito (UFRJ) e Ciências Militares (AMAN). Esqueceu de anotar que, além de outras qualificações, é analista do BACEN e escritor _best seller_ com livros já traduzidos para inglês, espanhol e leto.*

Ora, é óbvio que ser pastor não desqualifica ninguém, mas causa estranheza que a imprensa seja tão obcecada com a religião a ponto de IGNORAR as qualificações relacionadas aos cargos. 
Curioso que falam tanto em estado laico, sem nem saber direito o que isso é, mas *são os primeiros a tacharem pessoas por seus credos e limitar qualquer notícia a esse predicado.*

Ao meu sentir, temos uma imprensa que não está cumprindo o papel de informar nem está sendo leal e “laica”. Isso me parece preconceito religioso e serviço mal feito. A falta de informação suficiente induz nos leitores o entendimento de que as indicações do Dr. Ribeiro e do Dr Teixeira se basearam unicamente no fato de serem pastores evangélicos, sendo essa a única qualificação mencionada nas matérias. A indicação para uma função técnica e pública faz com que seja necessário pesquisar as aptidões acadêmicas e a experiência profissional para o exercício do cargo. *Sem esses cuidados básicos, a imprensa desinforma, e isto é o oposto de sua missão.*

Além disso, é violação dos direitos humanos discriminar alguém por sua fé. 

Lamentável, portanto, que atividade tão preciosa quanto a liberdade de imprensa seja mal utilizada. Mais lamentável ainda é sabermos que o abuso das meias verdades, da manipulação, da afronta aos direitos humanos, e a deslealdade, vai minando a credibilidade da imprensa. E todos nós precisamos da imprensa, ao menos quando ela age como tal e não como veículo de informação parcial e enviesada.

O caso 1 trata da perseguição a magistrados e os dois outros de perseguição religiosa. A quem interessa desconstruir e desconstituir a magistratura? *Qual a autoridade moral de quem ignora a qualificação técnica de alguém nomeado para uma função técnica?*

Fica aqui o alerta para quem lê e confia nas notícias mancas, e o alerta para quem as produz: pode demorar, mas o povo terminará por não levar mais a sério aquilo que é escrito sem a devida seriedade.

Amo a liberdade de imprensa e reafirmo sua importância para uma democracia. Porém, é justo esperar que a própria imprensa zele por sua credibilidade, trazendo informação com lealdade.

William Douglas é Juiz federal, professor e escritor.