sábado, 3 de junho de 2006

Lavadores, uni-vos: Governo brasileiro baixa decreto que permite aumento de participação estrangeira nas ações do Banco do Brasil

Edição de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça também o Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal
Resumo no ar às 8h e Edição completa a partir de Meio-dia.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

O Banco do Brasil será um pouco menos do Brasil, na Bolsa de Valores de São Paulo, graças a mais uma polêmica decisão do governo petista, totalmente convertido aos dogmas da neolibertinagem econômica internacional – mesma patologia que acomete os tucanos. O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, decretou, em 31 de maio de 2006, o aumento para até 12,5% da participação societária estrangeira no capital da instituição. Atualmente, os investidores estrangeiros só podiam participar com 5,6%.

Historicamente, a maior interessada na aquisição de ações do Banco do Brasil é a City londrina, comandada pela família dos banqueiros Rothschild. O interesse vem desde os tempos do Barão de Mauá, o lendário Irineu Evangelista de Sousa, fundador do banco, no tempo de D. Pedro II. Mauá foi levado à falência por defender interesses nacionais em ferrovias, em detrimento dos negócios dos Rothschild (seu parceiro nos empreendimentos). Os ingleses comandam a nossa dívida externa desde 1825, na gestão D. Pedro I.

Esta tradicional família inglesa controla um dos maiores bancos de investimento do mundo, que garantem ajuda financeira a governos, grandes corporações e ONGs internacionais. Os banqueiros Rothschild que comandam nossa dívida externa desde que Dom Pedro I declarou o Brasil independente de Portugal. São os verdadeiros controladores do mundo. Os governos fazem o que os interesses econômicos deles determinam. Os governantes são meros bonecos do ventríloco...

Na operação de venda das ações do Banco do Brasil aos estrangeiros, na Bovespa, o governo do PT conta com outro trunfo de comandar a maior fundação de previdência privada do País, fundo de pensão Previ, dos funcionários do BB, que tem um patrimônio de R$ 82 bilhões. Ma mesma semana em que decretou o aumento da abertura de capital do BB aos estrangeiros, o Banco do Brasil decidiu manter o petista Sérgio Rosa, até 2010, na presidência do Previ.

O poder de mando no fundo é um dos trunfos do governo para promover a reforma da previdência e dos fundos, no próximo governo, ganhando ou perdendo a eleição, como o Alerta Total informou esta semana. Os petistas terão controle sobre a bilionária carteira de ações da Previ, que corresponde a 60,8% do patrimônio do poderoso fundo de pensão. Sérgio Rosa é ligado a José Dirceu e Luiz Guishiken, os timoneiros dos futuros grandes empreendimentos empresariais no Brasil e que, logo que assumiram o governo Lula, fizeram questão de indicar e nomear seus apadrinhados nas diretorias financeiras dos fundos de pensão de estatais. A atuação deles no leilão de venda da Varig é um dos mega-negócios anunciados no mercado.

O Banco do Brasil divulgou um comunicado ao mercado com a “boa notícia” aos supostamente investidores estrangeiros. Na verdade, o dinheiro dos investidores de fora, para adquirir ações do Banco do Brasil, seria o dinheiro que especuladores brasileiros investem no exterior. É assim que o dinheiro guardado em paraísos fiscais o grandes centros off-shore retorna ao Brasil lavado e legalizado, com a permissão do Banco Central. Especialistas estimam que cerca de US$ 500 bilhões em "dinheiro sujo" - cerca de 2% do PIB mundial - transitam anualmente na economia.

Por definição, a “lavagem de dinheiro” é o processo pelo qual o criminoso transforma recursos ganhos em atividades ilegais em ativos com uma origem aparentemente legal. Essa prática criminosa geralmente envolve múltiplas transações, usadas para ocultar a origem dos ativos financeiros e permitir que eles sejam utilizados sem comprometer os criminosos. A dissimulação é a base para toda operação de lavagem que envolva dinheiro proveniente de um crime antecedente.

As bolsas de valores oferecem condições propícias para se efetuarem operações de lavagem de dinheiro. Elas permitem a realização de negócio com características internacionais. Possuem alto índice de liquidez. As transações de compra e venda podem ser efetuadas em um curto espaço de tempo. As operações são realizadas, em sua grande maioria, por intermédio de um corretor. Além disso, existe muita competitividade entre os corretores, que acabam seduzidos pela oferta de dinheiro fácil das “organizações criminosas” que precisam lavar dinheiro. As organizações criminosas investem em empreendimentos que facilitem suas atividades legitimar o dinheiro ilegal.

Tecnicamente, as bolsas de valores visam a facilitar a compra e venda de ações e direitos. Nas bolsas de valores é possível a realização de operações em cinco modalidades: (1) a vista; (2) a prazo; (3) a termo; (4) a futuro e (5) por opção. Enquanto nas quatro primeiras formas se negociam ações, no mercado de opções o que se negocia é o direito sobre essas ações. Mas os investidores não compram ações diretamente em uma bolsa. Compram-nas através das sociedades corretoras membros daquela entidade.

O cliente emite uma ordem de compra ou venda à sua corretora e esta se encarrega de executá-la no pregão. Para isto as corretoras mantém, no recinto de negociação, seus operadores, que são habilitados por meio de um exame de qualificação. Para fechar uma operação na bolsa, qualquer pessoa, banco ou empresa tem que usar os serviços de uma corretora, que recebe uma taxa de corretagem por realizar essa transação.

E quem comanda as bolsas de valores no mundo? Atualmente, os banqueiros Rothschild lideram a mais ousada operação do mercado acionário internacional, estimada em US$ 20 bilhões, criando a primeira bolsa de valores transatlântica da história. A nova empresa financeira é o resultado da fusão da Nyse (Bolsa de Valores de Nova York, na sigla em inglês) com o grupo europeu Euronext, que administra as Bolsas de Paris, Bruxelas, Amsterdã e Lisboa, além de derivativos em Londres.

Pelo acordo da fusão, cada ação da Nyse será convertida em uma ação ordinária da Nyse Euronext. Aos acionistas da Euronext será oferecido o direito de trocar cada uma de suas ações por 0,980 ação da Nyse Euronext e 21,32 em dinheiro. A Euronext também pagará uma distribuição extraordinária de 3 por ação, que havia sido anunciada anteriormente. O executivo-chefe da Nyse, John Thain, comandará o novo grupo, enquanto Jan Michiel Hessels, supervisor da diretoria da Euronext, ficará como chairman.

Os Rothschild têm todo interesse na reeleição do presidente Lula, para a continuidade dos negócios com o nióbio, um dos mais raros metais do planeta, essencial para a indústria de alta tecnologia, e do qual o Brasil detém 98% das reservas mundiais. Não é por coincidência que, em 2002, a única parceira empresarial do Instituto Cidadania (ONG ligada ao PT) era a CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração), de Araxá (MG). A empresa fatura alto vendendo nióbio. Também por mera coincidência, em 2002, a CBMM foi a maior doadora para a campanha de Lula, desembolsando R$ 1 milhão. Por terceira mera coincidência, presidente da empresa na época era José Alberto de Camargo, que hoje preside o Instituto da Cidadania.

A empresa CBMM, ligada à família Moreira Salles (do Unibanco), controla a venda o precioso nióbio. Atualmente, o Unibanco também tem estreitas relações com os tucanos. O ex-ministro da Fazenda de FHC, Pedro Malan, e o ex-presidente do Banco Central, também na era FHC, Armínio Fraga, fazem parte da diretoria do banco que esta semana voltou a negar nervosos “informes” do mercado de que estaria sendo vendido. Mas o grande projeto político, para o Brasil, dos Rothschild – que hoje têm os petistas como aliados – é colocar na presidência da República, em 2010, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

O tucano participou, no dia 16 de maio de 2004, de uma mega-festa na mansão inglesa dos Rotschild, em homenagem ao empresário Mário Garnero, do grupo Brasilinvest - um banco de negócios que lidera cerca de US$ 3 bilhões de investimentos ao redor do mundo. Aécio Neves foi um dos coroados a ter o privilégio de entrar na famosa “Spencer House”, uma construção do século XVIII que pertence a Lorde Jacob Rothschild, pai do jovem Nathanael e decano da família de banqueiros mais influente dos últimos dois séculos, que a usa apenas em ocasiões especiais. O Lord considera Garnero “um de seus quatro filhos”. Aécio Neves presenciou o Lord erguendo taças de cristal para homenagear Garnero e ninguém menos que o ex-presidente dos EUA George Bush (pai do presidente dos EUA), no Great Room do andar superior da mansão história.

O denominado “controlador do mundo” opera com os políticos da maneira que melhor lhe convém aos negócios. No Brasil, a atuação deles vem de longe. Como parte das negociações do reconhecimento da independência brasileira por Portugal e pela Inglaterra, o Brasil assinou um grande contrato de empréstimo de £3.000.000 (três milhões de libras) com os ingleses, no dia 12 de janeiro de 1825. Devidamente autorizados por Sua Majestade Imperial D. Pedro I, Imperador Constitucional e Perpétuo Defensor do Brasil, assinaram o acordo com o “negociante na cidade de Londres” Nathan Mayer Rothschild, os “brasileiros” Felisberto Caldeira Brant, membro do Conselho de S. M. imperial e marechal-de-campo do Exército Nacional e imperial etc., o cavalheiro Manuel Rodrigues Gameiro Pessoa, membro do Conselho do Império do Brasil.

Pelos interesses externos envolvidos e como o Brasil até hoje deve aos ingleses (a nossa dívida é eterna), deve-se celebrar, com cautela, quando o governo brasileiro comemora que o Tesouro Nacional já cumpriu mais da metade do seu programa de recompra de títulos da dívida externa que vencem até 2010. Em comunicado divulgado nesta sexta, o Tesouro informa que até 26 de maio havia conseguido recomprar US$ 11 bilhões e 700 milhões de dólares, sendo que US$ 6 bilhões e 600 milhões de dólares foram de Bradies (títulos da dívida renegociada).

A poupança obtida com a compra antecipada (uma vez que o governo deixa de pagar juros) foi estimada em US$ 520 milhões. Essa economia corresponde ao diferencial de juros entre os títulos do Tesouro norte-americano e os títulos brasileiros recomprados. A intenção é resgatar US$ 20 bilhões neste ano. Os Rothschild agradecem ao governo Lula... Da mesma forma como já agradeceram ao governo FHC, e aos demais que os antecederam.

Banqueiros em festa

Mesmo com os juros mais altos do mundo, aumenta a quantidade de dinheiro em poder dos bancos para que os assalariados brasileiros possam se endividar ainda mais.

Um dos fatores que estimulou a alta foi operação bancária para antecipar a restituição do Imposto de Renda.

O Banco Central do Brasil informa que o volume de crédito disponível na economia em abril foi de R$ 637 bilhões e 800 milhões de reais.

O dinheiro disponível para empréstimos na praça corresponde a 32,1% do Produto interno Bruto, que é a soma de todas as riquezas que a economia formal brasileira pode produzir.

Em abril do ano passado, a proporção entre crédito e PIB era de 28,1%.

Famílias e empresas devendo

O Banco Central verificou que o volume de crédito cresceu tanto para as famílias como para as empresas.

No caso das famílias, o motivo foi a continuidade do aumento do crédito consignado e o adiantamento do Imposto de Renda.

Já para as empresas, o volume de crédito está vinculado à indústria e aos setores de transporte e comunicação.

As operações para pessoas físicas somaram R$ 206 bilhões e 500 milhões.

Este foi o mesmo volume do crédito direcionado para empresas, como o do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Trabalhadores, endividai-vos!

Depois dos aposentados, pensionistas e servidores públicos, agora chegou a vez dos trabalhadores sindicalizados da iniciativa privada se endividarem com desconto direto na folha de pagamento.

A Caixa Econômica Federal e a Força Sindical assinaram um convênio que permitirá a liberação de empréstimo consignado com juros a partir de 1,75%.O acordo prevê a possibilidade de concessão de crédito todos os 7 milhões e 500 mil trabalhadores dos 1.257 sindicatos filiados à Força.Para os trabalhadores sindicalizados, com consignação de eventuais verbas rescisórias, as taxas de juros mensais são de 1,75%, até seis meses; 2%, de sete a 12; 2,3%, de 13 a 24 meses; e de 2,6%, de 25 a 36 meses.Sem a consignação de verbas rescisórias, as taxas são de 1,85%, até seis meses; 2,1%, de sete a 12 meses; de 2,4%, de 13 a 24 meses; e de 2,8%; de 25 a 36 meses.

O novo lema do sindicalismo, agora, é: Trabalhadores, endividai-vos!

O problema é como sobreviver pagando tantas dívidas mensais.

Fonte de recursos

Pagamentos milionários a advogados com missões jurídicas pouco claras durante a gestão do banqueiro Daniel Dantas à frente da Brasil Telecom estão, agora, sob investigação da Polícia Civil de São Paulo.

Um dossiê entregue aos investigadores pelos atuais controladores da empresa revela que cinco advogados que prestaram serviços à Brasil Telecom, no período em que a empresa estava sob a administração do banco Opportunity, receberam mais de R$ 20 milhões.

Detalhe: os pagamentos foram atestados por notas fiscais de números de série próximos uns dos outros - o que levanta a possibilidade de terem sido tiradas em seguida, e não durante a prestação de serviços regulares.

Trabalho "artesanal"

Escritórios que se pronunciaram sobre o caso afirmaram que trabalham de forma "artesanal" e por isso tiram poucas notas fiscais.

As notas em poder da polícia paulista são mensais e todas de valores superiores a R$ 1 milhão.

Foram expedidas pelo escritório Almeida Castro Advogados Associados, do advogado Antônio Carlos Almeida Castro, amigo do ex-ministro José Dirceu, conhecido pelo apelido de Kakay, e pelo escritório Nélio Machado Advogados,

Apenas para Kakay, os pagamentos somaram R$ 7.987.107.

Datas muito próximas

O primeiro pagamento, a título de honorários advocatícios, foi feito em 25 de agosto de 2004, no valor exato de R$ 1.771.200. O número da nota é 0643.

Um mês depois, em 27 de setembro, nova nota emitida para um pagamento no valor R$ 1.771.200.

Mesmo passados mais de 30 dias, o número da nota emitida é ainda muito próximo ao da nota anterior: 0654.

A nota 0667 revela um pagamento no valor de R$ 1.364.650, feito quase dois meses depois, em 17 de dezembro de 2004.

Em 20 de janeiro de 2005, outro pagamento é feito, no valor de R$ 1.364.650. Número da nota: 0671.

Parabéns!!!! Viva a sabedoria genética!

Circula pela internet uma mensagem dando parabéns aos aprovados no recente concurso para o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, que teve quatro mil candidatos incritos.

O irônico e-mail congratula-se com os seguintes aprovados:

1 - ANDRÉ SANTOS NAVEGA - sobrinho do Procurador de Justiça Antônio Carlos NAVEGA, cujo filho já foi aprovado em recente concurso;

2 - JOÃO ALFREDO GENTIL GIBSON FERNANDES - filho do Procurador de Justiça Fernando Fernandy FERNANDES, assessor do Procurador-Geral de Justiça;

3 - JONAS LOPES DE CARVALHO NETO - filho (ou neto?) do Conselheiro do TCE JONAS LOPES; homem de confiança da Governadora e seu esposo-grevista;

4 - MARIA EDUARDA SPINELLI BITTENCOURT COSTA - filha da Procuradora de Justiça EVANGELINA SPINELLI, da Comissão de Concursos do MP;

- RODRIGO DE FIGUEIREDO GUIMARÃES - filho do Procurador de Justiça JOSÉ AUGUSTO GUIMARÃES, cedido pelo Procurador-Geral de Justiça à Imprensa Oficial;

6 - TALITA NUNES HARDUIN DE FREITAS - esposa do Promotor de Justiça André Guilherme de Freitas, co-autor de obra literária com o Procurador de Justiça Alexandre Marinho, assessor do Procurador-Geral de Justiça.

Por fim, o e-mail afirma que vale um especial destaque para:

7 - LUCIANA LANHAS REIS - noiva do filho do Procurador-Geral de Justiça, já devidamente aprovado no último concurso, que sequer conseguiu a nota mínima no exame preliminar da DPGE/RJ (Defensoria Pública).

O irônico e-mail pergunta: "O que será que eles têm em comum?" E responde: "Parece que a outrora tão almejada equiparação com outra notória instituição fluminense aconteceu. Pena que só no - antes tão criticado quesito "aprovação por capacidade...genética"!!!

Vida que segue...

Novas informações a qualquer momento.

Recramasões, ilogius ou revelasões bomba para:
jorgeserrao@gbl.com.br

Faça comentários clicando no link abaixo.

Ouça as informações clicando no link da rádio (podcast) Alerta Total:
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal/

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. »