quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Armação: Cúpula do PMDB já costura chapa presidencial com Aécio e Dilma para a sucessão de Lula

Edição de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Aécio Neves, pelo PMDB, na cabeça. Dilma Rousseff, a preferida do chefão Lula, de vice. Esta é a chapa que se desenha na cabeça dos peemdebistas para a sucessão presidencial de 2010, embora seja ainda um pouco cedo para qualquer definição. Ontem à tarde, o governador mineiro deu mais uma prova de que anda “costeando o muro tucano” e doido para entrar no terreno peemedebista. Aécio alegou que sempre teve uma ligação histórica com o PMDB. Nas entrelinhas, deixou claro que tem opção de legenda no PMDB, caso o PSDB não feche questão logo em torno de seu nome.

O recado velado de Aécio acontece no momento em que as bases tucanas indicam que não vão aprovar sua candidatura com tanta facilidade. Aécio sabe que pode ficar sem o ninho tucano, depois que o senador Arthur Virgílio (AM) pediu oficialmente ao PSDB, na terça-feira passada, para ser incluído como pré-candidato à Presidência da República em 2010. Virgílio avisa que sua postulação é “coisa séria” e pediu “igualdade de tratamento” com os outros candidatos do partido: Aécio Neves e José Serra. Virgílio quer a inclusão de seu nome nas pesquisas do PSDB. Ele quer saber, por exemplo, o quanto estaria “atrás de Aécio”.

No PSDB, Aécio Neves já sente que as portas se fecham. Por isso, o namorador governador mineiro flerta com o PMDB. Aécio Neves sabe que Lula não descarta um apoio a sua candidatura em 2010, ainda mais se for pelo PMDB, que é da base amestrada do desgoverno. Por enquanto, o presidente fará de tudo para emplacar sua favorita Dilma – que não decola nas pesquisas. Lula já escalou a companheira para estar com ele em todos os palanques que anunciam obras do PAC.

Se o nome de Dilma não se viabilizar, Lula será o defensor da aliança com o PMDB. Neste caso, os petistas teriam de engolir até o lugar de vice numa eventual chapa de Aécio Neves, se ele vier realmente para o PMDB, como tudo indica que vai acontecer depois da nova arrumação política após a sucessão municipal deste ano. Aécio é o nome com melhor perfil para angariar votos no Nordeste, partindo da base que já tem em MG. Até no meio militar, o nome de Aécio já apontado como o “mais apoiável” para 2010.

E no mercado financeiro, que manda mesmo nos destinos econômicos e políticos do País, Aécio é “o cara”. Sua candidatura foi lançada em 2004, durante um suntuoso jantar no castelo inglês dos banqueiros Rothschild. O empresário Mário Garnero o apresentou à platéia como “o futuro presidente do Brasil em 2010”. O Lord Rothschild considera Garnero “um de seus quatro filhos”, e confia no taco dele.

A cena histórica

Aécio Neves participou, no dia 16 de maio de 2004, de uma mega-festa na mansão inglesa dos Rotschild, em homenagem ao empresário Mário Garnero, do grupo Brasilinvest.

Aecinho foi um dos coroados a ter o privilégio de entrar na famosa “Spencer House”, uma construção do século XVIII que pertence a Lorde Jacob Rothschild, pai do jovem Nathanael e decano da família de banqueiros mais influente dos últimos dois séculos, que a usa apenas em ocasiões especiais.

Aécio Neves presenciou o Lord erguendo taças de cristal para homenagear Garnero e ninguém menos que o ex-presidente dos EUA George Bush (pai do presidente dos EUA), no Great Room do andar superior da mansão história.

Graças a Deus?

"Graças a Deus, o sistema financeiro está ganhando".

Foi a frase sincera, porém cínica no contexto, do chefão Lula da Silva, minutos depois que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, reclamou dos bancos pelo aumento dos juros após a elevação do IOF:

"Eles não perderam tempo e deram uma subidinha na taxa de juros".

Os bancos agradecem

Nove dias depois de o Brasil passar de devedor a credor internacional, o desgoverno anuncia que transferiu mais recursos do Estado para os banqueiros.

Pela primeira vez em um mês de janeiro, o país economizou dinheiro suficiente para pagar juros da dívida interna e ficar com sobra de caixa, um superávit nominal de R$ 5,5 bilhões.

Acontece que a economia foi usada para quitar parte do principal devido a credores.

Com isso, a relação entre a dívida pública e o PIB, total das riquezas produzidas no País, caiu para 42,1%, mesmo patamar de 1998, antes da maxi-desvalorização do real.

Delegado dançou

Benedito Antonio Valencise não é mais o seccional da região de Ribeirão Preto.

Foi detonado, burocraticamente, o delegado que comandou as investigações da "máfia do lixo" (envolvendo o deputado federal petista Antônio Palocci Filho) em Ribeirão Preto, entre 2004 e 2006.

Valencise foi surpreendido na tarde de terça-feira, por telefone, ao saber que fora exonerado da função na cidade.

Será substituído por Rafael Rabinovici, que estava no Departamento de Trânsito (Detran), em São Paulo.

Muito estranho

A exoneração de Valencise, após quatro anos na cidade, soou estranha.

Ocorreu na semana seguinte a denúncia feita ao STF contra o deputado federal e ex-prefeito e ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci Filho, só que no caso da violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa.

Foi Valencise quem indiciou Palocci, no final de 2006, como "chefe" da quadrilha do lixo, que teria supostamente desviado mais de R$ 30 milhões dos cofres públicos em contrato de varrição e coleta do lixo com a empresa Leão Leão.

Tudo arranjadinho

O Palácio do Planalto e o PSDB mantiveram o acordo para uma CPI "civilizada" dos Cartões Corporativos, sem devassa nas contas do presidente Lula e de FHC.

Depois de duas semanas de negociação, o PMDB aceitou ceder a vaga de presidente da CPI ao PSDB para evitar a criação de uma segunda comissão no Senado com o mesmo objetivo.

Os tucanos indicaram a vice-presidente do partido, senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), para presidir a CPI.

Ligada ao ex-presidente Fernando Henrique e ao governador de São Paulo, José Serra, ela disse que não permitirá "pirotecnia".

Só negou acordo com o PT para poupar FHC, Lula e os familiares de ambos das investigações.

Processos continuam

Todos os processos movidos contra jornalistas, baseados na caduca Lei de Imprensa, continuam valendo.

Apenas um ponto da decisão liminar do ministro Carlos Ayres Britto, que suspendeu 20 dos 77 artigos da Lei de Imprensa, foi derrubado ontem pela maioria do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

O relator havia suspendido a tramitação de todos os processos movidos nos tribunais brasileiros com base na Lei de Imprensa até o julgamento definitivo da liminar concedida ao PDT.

Quem votou o quê?

Na sessão de ontem no STF, votaram pela manutenção da liminar de Ayres Britto, além dele próprio, os ministros Ricardo Lewandowski, Cezar Peluso, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Ellen Gracie.

No início do julgamento, o ministro Carlos Alberto Direito chegou a sugerir que toda a Lei de Imprensa fosse suspensa.

Apenas outros dois ministros concordaram com a idéia: Eros Grau e Celso de Mello.

Por motivos técnicos, Marco Aurélio Mello defendeu que a liminar de Ayres Britto fosse derrubada.

Ele acredita que o instrumento usado pelo PDT para contestar a lei, uma argüição de descumprimento de preceito fundamental, não é o juridicamente mais apropriado.

Nem aí para a Justiça...

Mesmo estando preso desde o dia 26 de dezembro, acusado de formação de quadrilha por envolvimento com a milícia Liga da Justiça, que atua na Zona Oeste, o vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho (PMDB), continua prestigiado.

Foi reeleito ontem pelos colegas (14 votos) para a Comissão de Abastecimento, Indústria, Comércio e Agricultura da Câmara do Rio.

Para a mesma comissão, 18 vereadores indicaram Josinaldo Francisco da Cruz (DEM), o Nadinho de Rio das Pedras, também acusado de envolvimento com milícias e que exerce o mandato beneficiado por habeas corpus.

Negócio entre petistas

Contratada pelo governo Marta Suplicy (PT) para aperfeiçoar o modelo das subprefeituras de São Paulo, a Finatec (Fundação da Universidade de Brasília) subcontratou, de 2003 a 2004, uma empresa que pertence a um petista e figura entre os doadores da campanha do PT.

Além de Marta, o vereador Antônio Donato - responsável pela contratação da Finatec em 2003, quando ocupava a Secretaria de subprefeituras - aparece como beneficiário de contribuição da Pro-sistemas Consultoria na eleição de 2004.

A Pro-sistemas doou R$ 4.000 para a campanha de Donato em 27 de julho de 2004 e R$ 21 mil para a de Marta no dia 2 de agosto.

A Pro-sistemas pertence ao petista Luiz Antônio Melhado.

Obrigado a sair

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que faz o controle externo do Judiciário, determinou a aposentadoria compulsória do desembargador Sebastião Teixeira Chaves, ex-presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia.

Ele ficará proibido de exercer a profissão, mas continuará recebendo vencimentos proporcionais ao tempo de carreira.

O desembargador foi preso pela Polícia Federal na Operação Dominó, em agosto de 2006, junto com outras 22 pessoas, sob suspeita de integrar um esquema que teria desviado pelo menos R$ 70 milhões em dinheiro público de Rondônia.

Junto com ele, foram presos o então presidente da Assembléia Legislativa do estado, José Carlos de Oliveira, o procurador de Justiça José Carlos Vitachi e o ex-chefe da Casa Civil Carlos Magno Ramos.

Sebastião Teixeira Chaves foi acusado de ter cometido os crimes de formação de quadrilha, advocacia administrativa e corrupção ativa.

Só na promessa

O ministro Guido Mantega promete apresentar na próxima semana um projeto de desoneração do Imposto de Renda para a pessoa física.

"Estamos estudando alguma mudança no IR. Certamente, uma parte da população vai pagar menos. Na próxima semana, já direi quais serão as intenções do governo em relação às alíquotas do IR. Serão para beneficiar, para melhorar".

Mantega não quis antecipar nenhum detalhe do estudo elaborado pelos técnicos do ministério em torno do alívio da carga fiscal para os trabalhadores, mas afirmou que uma parte da população vai pagar menos imposto.

O chão é o limite

O mercado financeiro já projeta o dólar entre R$ 1,50 e R$ 1,55 no fim do semestre.

No patamar de R$ 1,50, a moeda forçará uma revisão da política monetária.

Não será possível sustentar a Selic em 11,25% até o fim do ano como parece ser o desejo do Copom.

O juro básico terá de começar a cair no segundo semestre, pois os modelos econométricos estarão estimando o IPCA abaixo de 4% para este ano e 2009.

Fuga da moeda

Os grandes investidores globais estão fugindo das aplicações denominadas em dólar.

O dólar teve ontem baixa recorde frente ao euro: US$ 1,51.

A moeda americana caiu ontem a R$ 1,672 e, no ano, já se desvalorizou em 6,28%.

Lógica da assimilação

O dólar em baixa apavora os exportadores brasileiros que perdem competitividade e diminuem muito suas margens de ganho.

Assim, empresas brasileiras (sobretudo na área agropecuária) viram reféns fáceis de ofertas de fusão ou aquisição dos grandes investidores internacionais.

Isso explica a corrida para a compra de terras onde haja recursos minerais no subsolo e fazendas produtoras de gado.

O Boi será deles

Apenas 106 propriedades poderão vender carne bovina aos 27 países do bloco europeu.

Os europeus rejeitaram uma lista de 2.681 produtores brasileiros.

Após 27 dias de embargo branco, a União Européia anunciou ontem a retomada de importações de carne bovina "in natura" do Brasil.

A UE negou protecionismo e imposição de cotas e criticou o país por descumprimento de regras sanitárias acertadas desde 2007.

A bolsa já é

A BM&F e o CME Group, controlador das duas principais bolsas de derivativos dos Estados Unidos, sediadas em Chicago, deverão integrar suas atividades no terceiro trimestre deste ano.

As bolsas passaram a sócios com uma troca de ações. Para a brasileira, a principal vantagem da parceria será a possibilidade de aumentar sua base de distribuição de produtos.

A BM&F utilizará a "globex", plataforma eletrônica de negociação com a qual a bolsa norte-americana atua em cerca de 80 países.

Bolsas na boa

A BM&F registrou lucro líquido de R$ 69, 1 milhões no quarto trimestre de 2007.
No ano, foram R$ 293 milhões, expansão de 48,7% em relação a 2006.

A Bolsa de Valores de São Paulo subiu, este ano, em dólar, 9,08%, o maior percentual entre os mercados do mundo.

A alta de preços das commodities e a expectativa de que o Brasil possa obter, em breve, o grau de investimento foram decisivos no desempenho.

Pelo menos uma notícia boa

Completou cinco meses o projeto-piloto de sistema de TV Digital Interativa, implantado pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) para avaliar a potencialidade da interatividade em plataformas de TV Digital.

O projeto-piloto, chamado SAPSA ou Serviço de Apoio ao Professor em Sala de Aula, foi instalado na Escola Municipal de Ensino Fundamental Janilde Flores Gaby do Vale, em Hortolândia, São Paulo.

O sistema opera sobre a rede online sem fio (WiMAX) da prefeitura do município e oferece aos professores recursos audiovisuais em tempo real, como material de apoio às atividades em sala de aula.

Por meio de um aparelho conversor (set top box) conectado à rede WiMAX, o professor pode, sob demanda e com a ajuda de controle remoto, mostrar determinados conteúdos pedagógicos audiovisuais, como filmes, documentários e material multimídia, que ilustrem o que foi explicado durante a aula.

O sistema obedece os critérios de interatividade em tela idealizados pelo Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD), conduzido pelo CPqD com recursos do FUNTTEL do Ministério das Comunicações.

Vida que segue...

Ave atque vale!

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Jorge Serrão

Recordando o passado e como antes desse molusco vermelho ser eleto no segundo mandato, já Aécio Neves estava eleito para 2010.

"A explicação talvez esteja além-fronteiras. Conforme o sempre bem informado jornalista Jorge Serrão – o mesmo que furou a suspeita de ligação entre Lurian e o dossiê -, no dia 18 de maio deste ano, os cardeais tucanos e petistas selaram um acordo de não-agressão entre os partidos após confirmada a reeleição de Lula – Alckmin entrou para perder, chegou ao segundo turno por acidente. Naquele dia, em Nova York, encontraram-se para selar o acordo, ninguém menos que Fernando Henrique Cardoso, Tasso Jereissati, José Serra e Aécio Neves. Do PT, o senador Aloísio Mercadante – que, a exemplo de Alckmin, entrou para o sacrifício, em São Paulo.

Essa costura, patrocinada pelo capital internacional – Centro Tricontinental (entidade sediada na Bélgica, representativa da nobreza econômica européia) e CFR (Council on Foreign Relations, dos EUA) – projeta Aécio Neves para 2010. A candidatura do governador mineiro – que já saiu abertamente em defesa da "governabilidade" no próximo governo Lula -, aliás, já havia sido lançada em 17 de junho de 2004, durante um jantar com a nobreza econômica européia, no castelo dos banqueiros Rothschild.

Anônimo disse...

Serrão


Coronel, do coturnoturno.blogspot.com, depois de um recesso de 48 horas, volta detonando com a merda toda

vejam lá!!!