terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Rapidinhas Políticas

Edição de Terça-feira do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão

Ditadura em vigor

O major da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Wanderby Braga de Medeiros, virou alvo de perseguição política do governo Sérgio Cabral e da cúpula da Segurança.

O Boletim Reservado da Polícia Militar do RJ n.º 01, de 06Jan08, estampou (pág. 12) novo indiciamento do Major, em razão do art 166 do CPM (crítica indevida), por haver postado em seu blog 'comentário desrespeitoso à autoridade máxima do Estado do RJ'.

Wanderby escreveu que o governador está despreparado para o exercício do cargo que ocupa e por 'tecer comentários desfavoráveis à política de segurança pública' implantada por seu Secretário de Segurança, 'criticando publicamente resolução de governo, amoldando-se em prática prevista no Código Penal Militar.'.

Perseguição

Wanderby decidiu denunciar seu drama pessoal a organismos internacionais de defesa dos direitos humanos:

“Sou Major de Polícia Militar do Rio de Janeiro e tenho sofrido não poucos problemas em razão de meu engajamento em mobilizações cívicas em busca de condições menos indignas de prestação de serviço à população por parte dos bombeiros e policiais militares de meu estado natal e do exercício de direitos que acredito haverem sido consagrados a todos os meus patrícios, independentemente de opção religiosa, sexual, política ou mesmo laborativa, pela Constituição do Brasil”.

“Faz mais de dois anos que tenho um blog pessoal (www.wanderbymedeiros.blogspot.com), no qual insisto em expor o que penso sobre várias questões, inclusive, sobre indícios de corrupção no meio policial, sobre a falta de preparo do governador Sérgio Cabral para o cargo que ocupa e sobre a desastrosa 'política de segurança pública' implementada em sua gestão”.

Colecionando punições

Wanderby reclama que recebeu, injustamente, três punições disciplinares (as primeiras após mais de dezenove anos de carreira) e um primeiro processo na Justiça Castrense (crítica indevida - art 166 do Código Penal Militar, evidentemente não recepcionado, in casu, pela Constituição Federal de 1988):

Gostaria de solicitar auxílio para que a questão seja alçada às instâncias competentes dos organismos internacionais de direitos humanos, pois meu direito elementar à liberdade de expressão (objeto da Carta Magna do Brasil e da Convenção Americana de Direitos Humanos de 1969, ratificada por meu país em 1992) está sendo alvo de flagrante lesão e, mesmo assim, eu não vou deixar, em hipótese alguma, de continuar a manifestar o que penso, de sorte que não posso prever até que ponto poderão chegar meus algozes. Além do mais, os resultados da política de segurança implementada no RJ não parecem demonstrar que estou errado!

Wanderby acrescenta: “Eu sei que pode parecer Surreal, mas tal fato está acontecendo no RJ e, em breve, devo ter minha liberdade de locomoção cerceada pelo Comando da PM (administrativamente) em face da imputação supra, sem prejuízo da inauguração de mais um custoso processo penal militar”.

Puro jogo de cena

No teatrinho de fantoches do João Minhoca, encena-se uma suposta briguinha ou mágoa momentânea entre o chefão Lula e o poderoso advogado, consultor de empresas e blogueiro José Dirceu de Oliveira e Silva.

O suposto mal estar entre os personagens foi causado porque o Zé, em entrevista, a revista Piauí, criticou um dos filhos de Lula – fato negado por Dirceu.

Bronqueado, Lula soltou uma farpa contra seu principal assessor informal (com quem fala todo dia por um telefone via satélite privativo):

Eu acho uma loucura alguém ficar uma semana totalmente desnudado diante de uma jornalista”.

Completamente coerente

O chefão Lula da Silva instituiu que 12 de outubro (também feriado nacional de Nossa Senhora de Aparecida, padroeira do Brasil), será o Dia da Leitura.

Lula acatou a ideia (agora sem acento) proposta pelo amigão Frei Betto.

Trata-se de uma proposta absolutamente coerente para ser instituída por alguém (como Lula) que detesta leitura.

Pelo menos ele segue a máxima do “fassa o que eu decreto, mas não fassa o que eu fasso”.

Vão soltar?

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região deve colocar em pauta hoje o julgamento de um pedido de hábeas corpus em favor Marcos Valério Fernandes de Souza.

O famoso operador do mensalão está hospedado desde 21 de outubro e mandando várias ameaças de que pode abrir o bico se ficar ainda mais tempo preso na Penitenciária II de Tremembé, interior de São Paulo.

Valério foi grampeado há 90 dias pela Operação Avalanche, da Polícia Federal, que investigou uma suposta trama para desmoralização de dois fiscais de tributos estaduais de São Paulo que autuaram em R$ 105 milhões a cervejaria Petrópolis, fabricante da Itaipava, cujo presidente, Walter Faria, é amigo do publicitário mineiro.

Sem resposta

Aliás, Marcos Valério ainda nem explicou (e nem deve revelar) o que conversou, durante cerca de 40 minutos, no parlatório da cadeia, com o advogado do PCC Jerônymo Ruiz Andrade do Amaral.

Será que o Primeiro Comando da Capital, que sonha em se tornar partido político, quer alguma assessoria do marketeiro Valério?

Ou Valério é apenas um cara que gosta de fazer amizades facilmente?

Ou será que tem algum “favor” encomendado por ambas as partes?

Fraternidade contra a corrupção

A Campanha da Fraternidade de 2009, realizada desde 1964 pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), promete pegar pesado contra a corrupção e a falta de ética na política.

O texto-base da campanha explica que um dos objetivos é "denunciar a gravidade dos crimes contra a ética, a economia e as gestões públicas, assim como a injustiça presente nos institutos da prisão especial, do foro privilegiado e da imunidade parlamentar para os crimes comuns":

Os crimes de corrupção e do colarinho branco não são violentos em si, mas geram outras formas de violência”.

Pecado dos fichas-sujas

As discussões nas reuniões e celebrações da campanha, que ocorrem em igrejas, escolas e casas nos 40 dias que antecedem a Páscoa, poderão impulsionar um movimento de coleta de assinaturas para criar uma lei que visa barrar candidaturas de políticos com ocorrências na Justiça.

A CNBB é uma das coordenadoras de um grupo de entidades que busca obter 1,5 milhão de assinaturas com o objetivo de apresentar um projeto de lei ao Congresso contra a participação dos "ficha-suja" nas eleições.

Cerca de 700 mil pessoas já subscreverem a proposta de lei, segundo a CNBB.

Consciência

O secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa (bispo auxiliar do Rio de Janeiro), lamenta que "frases como "rouba, mas faz" sejam sintomas de uma mentalidade difusa no meio do povo e expressam um indiferentismo perigoso".

Para dom Barbosa, "tem muita gente que diz que é preciso levar vantagem sempre, mesmo que para isso seja preciso enganar. Isso pode servir de substrato cultural para justificar situações de impunidade".

O secretário-geral da CNBB acredita que a Campanha da Fraternidade deste ano pode repetir o feito da edição de 1996, que serviu de ponto de partida para a obtenção de 1 milhão de assinaturas para a criação da lei nº 9.840, que tornou mais efetivas as punições em casos de compra de votos.

Opção Sarney

Está tudo armado para José Sarney ser o candidato do PMDB à Presidência do Senado.

O atual presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), admitiu hoje, pela primeira vez, que poderá desistir de disputar a reeleição, caso seu partido peça:

"O PMDB me lançou. Foram 17 senadores da bancada e mais outros dois, somando 19. Se esses 19 me pedirem para desistir, aí tenho que atender. Se a bancada pedir, abro mão. Não sou candidato de mim mesmo".

Sapatada de mau gosto

Convidado para abrir a Couromoda, em São Paulo, o chefão Lula da Silva resolveu brincar com um recente incidente diplomático entre Estados Unidos e Iraque.

Ao visitar um estande de sapatos na feira, Lula pegou um sapato e ameaçou arremessá-lo em direção aos fotógrafos e cinegrafistas que o acompanhavam.

A brincadeira foi para homenagear o episódio em que o jornalista iraquiano Muntazer al Zaidi jogou os sapatos no presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e ainda o chamou de cachorro.

Só no sapatinho...

O empresário Vito Artioli presenteou Lula da Silva com um par de sapatos feito à mão especialmente para ele.

A fábrica Artioli é conhecida por sua célebre galeria de clientes, que inclui o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, e a realeza da Jordânia e do Marrocos.

O governador José Serra ficou com inveja, reclamou e Lula detonou:

"Primeiro vou dizer ao Serra que eu não posso dar um presente que eu ganhei, mas se ele quiser um pé emprestado de vez em quando para mostrar a harmonia que existe entre São Paulo e o Brasil pode me falar que será presenteado".

Ele merece?

Depois de discursar durante a abertura da feira, o presidente justificou o gesto aos jornalistas.

Segundo Lula, sua intenção não era arremessar o sapato, mas sim se precaver para que ninguém jogasse um sapato nele.

"Eu não quis dar sapatada. Apenas me precavi para vocês [jornalistas] não darem em mim".

Lacerda na m...

O presidente da CPI das Escutas Telefônica na Câmara, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), promete chumbo grosso contra a nomeação do ex-diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) Paulo Lacerda como adido policial do Brasil em Lisboa.

Irônico, o delegado federal aposentado Itagiba advertiu que Lacerda poderia ser nomeado para "adido cultural", mas jamais "adido policial".

O deputado afirmou que o Ministério Público tem condições de impedir que Lacerda assuma o cargo, com base no estatuto da Polícia Federal.

O flamenguista Lacerda, queridinho do senador Romeu Tuma e muito amigo do chefão Lula, vai ficar na maior m...

Mal estar

A absolvição por antecipação do delegado Paulo Lacerda decretada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, causou mal-estar na Polícia Federal (PF).

O inquérito só será concluído daqui a três semanas, mas o ministro já eximiu o ex-auxiliar de qualquer responsabilidade nos supostos grampos que captaram clandestinamente conversas do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, durante a Operação Satiagraha.

Nos relatórios parciais produzidos até agora, os delegados William Morad e Rômulo Berredo, encarregados da investigação, alegam que não encontraram qualquer prova da existência do grampo e de sua autoria.

Resistance is futile

O prefeito do Rio de Janeiro tem um compromisso importantíssimo para o dia 16.

Será entrevistado, no Palácio da Cidade, pelo jornal inglês “The Guardian”.

Indício de mais um político assimilado pelo grande poder de sedução dos britânicos que adoram promover seus parceiros estratégicos.

Mais mau que o Picapau...

Um episódio de "Os Simpsons" gerou a maior polêmica no Reino Unido, depois que Homer acusou seus vizinhos muçulmanos de serem terroristas.

No filme, Homer convence seus amigos de que seus vizinhos vindos do Oriente Médio planejam explodir um centro comercial de Springfield.

A besta do Homer descobre mais tarde que Amid, o chefe da família muçulmana em questão, trabalha para uma companhia de demolição, mqas o estrago da fofoca já estava feito.

Avacalhação

No mesmo desenho, quando Homer convida a família vizinha para um jantar, demonstra sua ignorância em relação ao Islã, chamando Alá de "Oliver" e o Alcorão de "A Coroa".

O Centro Cultural Islâmico e da Mesquita Central de Londres acusou o programa de incentivar o preconceito contra o islã e recomendou que os muçulmanos a não assistirem mais a série.

O criador de "Os Simpsons", Matt Groening, defendeu o episódio ao alegar que os desenhos "trabalham com estereótipos" e "nós tratamos de ser sensíveis a respeito".

Recauchutagem

Dilma Rousseff reapareceu ontem em público, na Couromoda, em São Paulo, exibindo seu novo perfil trabalhado plasticamente.

Cabelos pintados de ruivo e milimetricamente repicados nas pontas, pálpebras rejuvenescidas por cirurgia plástica, rugas de expressão sumidas, pele com sinal evidente de lifting no rosto, ausência de óculos, maquiagem leve, porém perceptível.

É o visual com que Dilma será apresentada ao povo na preparação para a grande batalha eleitoral de sua vida.

Confira o resultado estético em: A Favorita do Chefão: Quem te viu e quem te vê...

Coisa de Bundões

O chefão Lula está na maior bronca porque rola a ameaça terrorista de que alguns funcionários mais gaiatos do Congresso encomendaram CDs piratas com um novo hit da funkeira Valeska Poposuda.

Os versinhos da linda canção homenageiam o chefão da nação:

Conheci o Lula no Complexo do Alemão/ E ele não tirou o olho do meu popozão”...

Deste jeito, a galega italiana Marisa Letícia manda Lula dormir na casinha do pastor alemão...

Leia, abaixo, as Rapidinhas Econômicas

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 13 de Janeiro de 2009.

Nenhum comentário: