sábado, 7 de fevereiro de 2009

Crenças essenciais de São Stalin

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Arlindo Montenegro

Acredito que desde antes de antigamente somos engabelados massivamente para acreditar que “todos são iguais perante a Lei”.

Qual das Leis? Por que mudam as Leis diariamente? Por que as Leis ora se voltam contra a consciência de uns enquanto privilegiam assassinos como o Cesare Batisti ou o pseudo padre colombiano de codinome Medina, representante dos humanitários terroristas narcotraficantes das Farc?

Por que leis garantem foro privilegiado a certa categoria de bandidos?

Por que as Leis tratam bandidos com caridade humana deixando os que trabalham à mercê dos bandidos?

Por que as Leis falam que toda criança tem direito a proteção e deixam tanta criança faminta, abandonada nas ruas ou se prostituindo pelas estradas?

Quem lê pode acrescentar outros porquês.

O fato é que não somos iguais. Ninguém é igual ao outro. E a Lei, como já dizia Platão, “é o interesse dos privilegiados”.

No entanto, existe uma Lei Moral, uma lei natural, uma lei hierárquica, uma lei que submete a todos, - cada um em sua atividade produtiva, cada um com suas habilidades, cada um com as capacidades adquiridas por vontade e iniciativa individual – uma Lei transcendental inexorável: todos dependemos da água e dos alimentos para a travessia.

Daí, um dos santos desta igreja socialista, que insiste na enganação da igualdade, São Stalin, chegou e pregou: "Nós, os comunistas, não reconhecemos nenhuma lei moral que de qualquer modo prejudique a liberdade de ação do plano central da revolução".

O cristianismo em que fui educado ensinava que a nobreza estava em temer a Deus e cumprir os deveres que naturalmente acentuavam a credibilidade e a união do rebanho. O bem estar individual estava na observação das leis morais. A liberdade de cada um estava na possibilidade de escolha e ação, livre arbítrio, com a responsabilidade sobre as conseqüências.

As diversas tarefas para obter o pão de cada dia colocavam cada um no exercício honrado de trabalhos diferentes, podendo quem quisesse, por livre escolha, ter acesso à educação e trabalhos menos brutais.

Em qualquer parte ou época, existirão aqueles que ocuparão os postos de trabalho em escala mais ou menos privilegiada. A vontade e a persistência individual têm seu valor e promovem, gratificam naturalmente.

Fora da crença nestas leis transcendentais, as Leis mutantes impostas pelos poderosos para perpetuar seus privilégios atuam como mordaça para quem percebe que o Estado super poderoso anárquico, escraviza as mentes, utilizando a propaganda do dia a dia que abre caminho para a crença em mentiras.

E as mentiras, repetidas como verdades, vão abrindo caminho para a morte prematura, o ódio, a violência, o terror que permite a “liberdade de ação”, apenas para os que estão no “plano central da revolução” perseguida e pregada por São Stalin.

Pense aí nas semelhanças e coincidências, tanto no plano doméstico como no plano internacional.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

8 comentários:

Fernando disse...

Jorge, criei uma marca para indicar os blogs que são contra o governo do Batráquio e sua corja, se você quiser coloca-la em seu Blog e indicar outros para que também participem é só ir na minha página dar os nomes dos Blogs e copiar a marca para a sua página. Quem sabe conseguimos fazer um grande grupo de oposição contra o governo sem a ajuda da imprensa vendida? Utopia? Talvez, mas de certo iremos incomodar mais ainda.
Abraços

Anônimo disse...

Arlindo,

Vivemos sob o estado de terror satânico-maçom.

Eu tenho refletido muito sobre essa alteração de leis de acordo com as necessidades dos bandidos que conquistaram a orgia-mor deles, a tomada do poder com os nossos votos.

O jeito é haver uma legião de direitistas que sabem que ser de direita é não ser maçom para que tenhamos um sistema político livre das manobras illuminati.

Para saber mais, leia toda essa matéria e clique nos links dela para abrir em uma nova página ou aba.
http://alingua.blogspot.com/2008/11/revelao-mal-divulgada-propague-esta.html

julio disse...

Porque desviar o foco incluindo a Maçonaria nisso?

Stalin e todos os ratos que de seu cadáver se multiplicaram e estão ora aqui chaves, evos, lulas e tais, estão longe de qualquer Maçonaria.
Aliás estão longe de qualquer coisa que não seja o seu ódio e inveja de quem vence por esforço próprio.

Anônimo disse...

Muito bom texto. Continue escrevendo. Esse trabalho que esta´fazendo é muito bom.Parabens!

Anônimo disse...

A maior mentira da política moderna é que "os homens nascem livres e iguais". Essa mentira está escrita na Declaração de Independência dos Estados Unidos (1776), na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão da Revolução Francesa (1789) e na Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU (1948). Ninguém nasce livre e igual: todo o mundo nasce dependente do papai e da mamãe. A família é a base da vida social, e a família é fundada na desigualdade.

Por esta razão, é de rejeitar-se o igualitarismo, que reclama uma igualdade social absoluta e a igualdade como valor social absoluto.

Não obstante, todos os homens participam de uma mesma natureza. Isto é, na medida em que são homens, em que participam da natureza humana, são iguais. Por isso, os direitos que cabem ao homem enquanto tal, ou seja, enquanto participante dessa natureza, devem ser reconhecidos e assegurados igualmente a todos. Essa é a igualdade jurídica fundamental, que se distingue da igualdade absoluta, reivindicada pelo igualitarismo.

Quanto à Maçonaria, ela é uma das maiores proponentes do igualitarismo e do liberalismo, constituindo uma força revolucionária, por causa de seus ressentimentos contra a Igreja católica.

Seria interessante que os maçons, pelo menos os honrados e de boa vontade, pusessem de lado seus rancores contra o catolicismo, deixassem de combater a influência cristã sobre a sociedade, abraçando a causa maior da salvação do Ocidente. Entretanto, isso hoje parece utopia: um desembargador judeu, ao assumir a presidência do TJRJ, mandou retirar os crucifixos do Tribunal (talvez por recordar-lhe o terrível erro judiciário que marcou a história de seu povo). Diz o desembargador anticristão que espera que um irmão do Superior Tribunal de Justiça venha ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal, a instância máxima do Judiciário no País... Muitos magistrados fazem parte dessa "grande família".

Caio Júlio C. Tavares

Anônimo disse...

A ligação para a reportagem sobre o desembargador judeu que não gosta de crucifixos e que tem um "irmão" ainda mais importante:
http://www.conjur.com.br/2009-fev-03/luiz-zveiter-toma-posse-tj-rio-manda-retirar-crucifixos-corte

Caio Tavares

Montenegro disse...

Prezado Julio Tavares;
"Essa é a igualdade jurídica fundamental, que se distingue da igualdade absoluta, reivindicada pelo igualitarismo". /Estou de acordo. E gostaria que refletisse que a maçonaria é uma Associação de homens diferentes, que pensam e agem de modo diferente. Existem correntes maçonicas que não concordam com o igualitarismo absoluto.
O que insisto é que concentremos o nosso foco de atenção para a realidade que vivemos: guerras, crises, igreja católica dividida, costumes em franca decadência, pais contra filhos, deseducação programada, controles que anulam a individualidade, propaganda em tal volume que não alcançamos processar conscientemente. O clima é de terrorismo, para que em determinado instante a gente fique de acordo em usar chips desde o nascimento, de acordo com um governo universal, um exército universal, diferente da FFAA que defende o território e a soberania Pátria, as crenças e costumes.
Pense nisso. Vou escrever uns 3 artigos sobre o assunto.
Como ponto de partida defendo que busquemos as concordâncias no caminho de uma civilização que cultive o estado democrático de direito. Diferente de qualquer dos modelos existentes, todos controlados pelos clubes financeiros internacionais sediados na Europa e EUA, hoje socios das economias da Russia e da China, onde o modelo marxista coninua no poder.
Arlindo Montenegro.

Anônimo disse...

ompodewr tem sindico, o poder já estevenas mão da igreja catolica, ObS . n]ão confundir poraquia com poder catolico. a marçonaria brasileira e tão hipocrita como a igreja ctolica am bas difide o poder sobre a sociedade, temos hoje outro movimento fundamentalista-politico- religioso que quer o poder o movimento evangelicao protestante . sou evangelico defensor da familias e da igualdade libertdade e fraternidade mas não com cordo com a hipocrisia dos sindicos do poder que se divertem com a destruição da sociedade dos pricimpios critãos já que elas dissem defender os principios cristãos porque que eles n]ão os onram