sábado, 21 de fevereiro de 2009

Máscaras da Realidade: Quem usa?


Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog aos seus favoritos.

Por Arlindo Montenegro

Pessoas decentes usam máscaras? Aprendi que até Deus usa máscaras para testar a fé, a generosidade das gentes. Passei a infância ouvindo conselhos dos mais velhos para tratar bem os pedintes, não desprezar ninguém ou considerar-se superior. O próprio Jesus, disfarçado para testar a fraternidade dos cristãos, passou tempo para entender que Deus não usa máscaras.

Mas os humanos são uzeiros e vezeiros em aplicar máscaras para encobrir a realidade. Utilizam máscaras diversas: de bondade, zanga ou força, malícia e covardia, cupidez e galhofa, atribuindo-as aos seus diversos deuses, exemplos das próprias virtudes ou dos vícios.

As máscaras carnavalescas brincam com a realidade e deixam entrever os conflitos, desejos secretos, cheiros de suor, riso ou lágrimas. Os foliões se permitem todos os artifícios do infantilismo irresponsável. Todas as porteiras do sonho e fantasia são abertas para fingir a experimentação de limites e omissão da realidade.

O grande espetáculo que rende bons lucros aos serviços turísticos e traficantes de drogas, deixa sempre um saldo de tragédias familiares, afetando diretamente bombeiros, policiais e circunstantes. Enquanto isso, o abre alas da mascarada governamental aproveita para fingir e marcar presença. A diferença é que eles, governantes, utilizam máscaras permanentes.

As máscaras que servem para encobrir as falhas morais permanentes dos governantes e do cordão de puxa sacos são diferentes das máscaras que a população utiliza para encobrir as carências, agruras e dificuldades. São artifícios da insanidade moral.

Gente que é presa da insanidade moral é incapaz de entender os motivos reais de gente normal, que pode escolher entre cair na folia ou fazer um retiro espiritual. Gente que é presa da insanidade moral é incapaz de experimentar emoções puras, é incapaz de perceber a beleza da vida, é incapaz de retirar as máscaras depois do carnaval.

Eles festejam mentindo e repetindo a mentira acabam por enganar os incautos e crédulos. Acabam por acreditar que as próprias mentiras e promessas são verdades. E prosseguem na folia, rindo na cara dos cidadãos, enquanto ameaçam com o terrorismo, com cobranças de impostos, insegurança no trabalho e imposições comportamentais mascarando com leis interpretadas, seus próprios crimes e mentiras.

Os insanos mascarados confundem suas fantasias com a realidade mesma - independentemente da organização universal. Utilizam toda a força bruta para construir o que lhes dá na telha. Custe o que custar. Doa a quem doer.

Aquela gente que se diz comunista, cristã e democrata utiliza a propaganda como ferramenta de arquitetura social, para submeter suas “tribos” e aniquilar os antagonistas. Os que são contrários ao comunismo também pensam em aniquilar os antagonistas. Salvo algumas poucas exceções, insignificantes exceções, que assimilaram o gosto pela liberdade responsável e aspiram um ambiente onde prevaleça o respeito humano.

Quando nos debruçamos sobre as máscaras da realidade, os nós górdios a desatar remetem aos crimes e milhões de mortos nas guerras. O que eram cenas de sofrimento justificado pelos historiadores, revela-se como dura realidade diária, atribuída pelos governantes a dificuldades insuperáveis.

Justificam a incompetência e a podridão utilizando máscaras que parecem a bondade encarnada. Falam da corrupção como se fosse de terceiros, falam da “perversidade” dos policiais e “candura dos humanos” bandidos como se nada disso resultasse de decisões políticas.

O que caracteriza um "ser humano" me foi ensinado como integridade e ação na direção do bem. Sob esta ótica, a politicagem e capitulação ao comunismo deixa bem claro que a inteligência deste País rendeu-se à covardia moral. O que teríamos na história, nos livros escolares de hoje, se os ideólogos do comunismo estivessem fora dos postos de governo? Como seria este governo se houvesse oposição? De verdade.

O mais poderoso protagonista desta situação tem um nome: propaganda. E a disparidade de forças é infinita. Praticamente toda a mídia repete a propaganda gerada em fontes oficiais. Os opositores são ignorados. A história oficial esconde a realidade, o lado da história baseada em valores tradicionais que marcaram positivamente as civilizações.

Leiam e vejam as estatísticas depois do carnaval e meditem como as políticas governamentais matam. Esta é a associação que as “oposições” nos devem. As decisões e prioridades destes desgovernantes causam as mortes nas estradas, matam de fome centenas de milhares, mais que nas carnificinas guerreiras, matam nas filas dos hospitais, nas estradas, de "bala perdida", dengue, "virose", "infecção hospitalar", enchente provocada por bueiros e córregos entupidos, encosta que desaba, prédio que desmorona, avião que cai, alimentos envenenados, overdose de drogas, suicídios... Tudo devido ao ambiente que eles, governantes, nos proporcionam.

Cada um desses itens e mais outros não listados são consequentes de omissões e políticas desastrosas. Resultam da displicência, incompetência, desprezo humano. Este carnaval perpassa nossa história. Alguém pode negar que as políticas econômicas estão atreladas a interesses externos?

Interesses que são alheios e contrários à nossa realidade. Na verdade, a imprensa só mostra um mínimo do circo de horrores e jamais relaciona o fato com a fonte que o gerou. Isto é proibitivo. Quem se arrisca a dizer a verdade corre o risco de ser morto, isolado, amordaçado, no mínimo ridicularizado.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

4 comentários:

DO disse...

Parabens pela abordagem. Muitas verdades!!

abraços!!

Entregrupos disse...

Que estranho, apagou a postagem sobre políticos e pedofilia? cadê o artigo?

Michel

BRAGA disse...

É, Arlindo.
Falar a verdade e criticar essa "nova ordem" é tão perigoso quanto era no início do cristianismo, assumir Jesus.
Só que hoje não somos "jantados" por leões famintos e sim triturados por essa "engrenagem" cruel que "movimenta" um mundo do TER, desprezando o SER.
Mas a Lei da Ação e Reação está em pleno vigor, ou, no "popular", quem semeia ventos colhe tempestades. Quem viver verá!

Anônimo disse...

Deus te oiça Braga! Deus te oiça!