sábado, 10 de setembro de 2011

Roubalheira nas Eras FHC e Lula está bem clara

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Márcio Accioly

As redes sociais se mobilizam por nova manifestação contra a corrupção no Brasil, prevista para 12 de outubro. Apesar de restrições ou má vontade, encontrada em parte da mídia, os protestos do dia 7 de setembro foram considerados bem-sucedidos. Bem-vinda internet!

Ninguém quer a presença de políticos profissionais nesses encontros, pois o movimento tem origem na sociedade e acontece à margem de agremiações partidárias. É tentativa de depuração da vida pública brasileira, hoje infestada por larápios, bandidos e ratazanas de todas as cores e matizes.

A população, em especial parcela vigorosa das classes médias, começa a lutar pelo expurgo dos assaltantes dos cofres públicos, os que utilizam dinheiro dos impostos para se locupletarem e nada oferecerem em termos de serviço. Se fosse colocada na cadeia a maioria de nossas “autoridades”, a situação brasileira começaria a melhorar.

É um absurdo o que se ensaiou dentro do PT, pugnando pelo controle da mídia (medida que vem dos partidários de José Dirceu), para impedir a livre circulação das ideias. Dentro do PSDB, partido que se diz de oposição, o movimento é encabeçado pelo ex-governador Eduardo Azeredo (MG), responsável pela criação do mensalão.

Por enquanto, o ex-presidente Dom Luiz Inácio observa calado o rumo dos acontecimentos. Sua ex-excelência, que recebe milhares e milhares de reais para fazer palestras (ninguém sabe o que ele tem de tão importante para dizer), tem consciência de que sua popularidade poderá ruir desastradamente. É analfabeto, mas não burro.

Desde que entregou a Presidência à sucessora, Dilma Roussef, Dom Luiz Inácio tem presenciado a descoberta de inacreditáveis esquemas de roubos e assaltos aos cofres públicos nos Ministérios de sua gestão. A começar pelo dos Transportes, ex-liderado por Alfredo Nascimento (PR), ramificado em todos os estados de nossa Federação.

Mas roubo ainda maior tem sido convenientemente esquecido pelos meios de comunicação: trata-se o dos cartões corporativos, que quase foi motivo de CPI, criados na gestão FHC (1995-2003) o ser de ego monumental. Só não houve a CPI dos cartões corporativos porque PSDB e PT fizeram vergonhoso acordo.

Se a população for às ruas e der uma sacudidela, o próprio STF irá se assustar no desejo de derrubar a ficha limpa, legítima conquista do povo brasileiro. Hoje, o sujeito pode formar quadrilha, levar todo o dinheiro existente nos cofres públicos, matar (vide o caso do prefeito Celso Daniel, em Santo André), que fica tudo por isso mesmo.

Se for para aplicar alguma lei que impeça assaltantes e bandidos de assumirem cargos públicos, discutem-se filigranas jurídicas como se estivessem tratando com pessoas de bem. Chamam a isso de “Estado Democrático de Direito”, quando o certo seria colocar a grande maioria dos detentores de mandato no xilindró!

Dinheiro existe e muito, o que falta é critério na aplicação. Dizem que quando Dom Luiz Inácio recebe milhões de reais em “palestras”, nas quais ensina como o mundo foi criado com sua interferência, estaria na realidade lavando recursos cuja origem não tem como explicar. Ele ganha mais do que Bill Clinton e outros figurões!

Num determinado momento novas lideranças irão aparecer. Essa mobilização, varrendo alguns canalhas (e eles são muitos) da vida pública, é indispensável. Há de se mobilizar para a construção de presídios e melhoria de salários para os professores. Tem de se mudar a legislação para prender os que roubam o dinheiro do contribuinte.

Os atuantes bandidos da vida pública ficam calados quando enxergam o povo na rua. É preciso pressionar por nova legislação, por presídios, por correta utilização dos impostos. Se os contribuintes se calarem, a corda será apertada até que sejam sufocados. Com a população nas ruas, a exemplo do mundo árabe, os ladrões ficarão com medo.

Márcio Accioly é Jornalista.

Um comentário:

Márcia Canevari jornalista disse...

Vc está coberto de razão Márcio, o brasileiro é inerte e acomodado. Temos que incitar o povo a ir para as ruas, lutar pelo que é nosso, nem que para isso algumas vidas se percam, mas é preferível morrer lutando, do que nas filas do INSS com nossos recursos nas mãos dessa quadrilha de Brasilia. Todos para a rua, já!