segunda-feira, 30 de abril de 2012

Lula também apela para reforço da blindagem que proteja Sérgio Cabral das ligações Delta-Cachoeira



Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Leia mais artigos no site Fique Alertawww.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão

Assusta e causa estranheza a blindagem política do governador do Rio de Janeiro no escândalo que parece ligar tudo e todos a Carlinhos Cachoeira. Sérgio Cabral Filho conta com uma forte proteção – sobretudo da mídia – para que nada de mais consistente e comprometedor seja divulgado sobre suas ligações pessoais com Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, um dos centros de operação do lobista e contraventor Cachoeira. As denúncias atingem o senador Demóstenes Torres, o governador goiano Marconi Perillo, o governador do Detrito Federal Agnelo Queiroz, deputados da oposição, mas não chegam até Cabral e outros petralhas.

Enquanto nada suja seu nome diretamente, Cabral ainda posa de bom moço. No sábado, a assessoria dele soltou uma nota em que o governador fluminense comenta que “jamais imaginou que a Delta fizesse negócios com um contraventor no Centro-Oeste brasileiro”: “Nunca misturei amizade com interesse público”. Sérgio Cabral se inspirou no apedeuta Lula da Silva – que nada sabia sobre qualquer coisa que fosse denunciada de errado em seu governo. Aliás, ao fomentar a CPI do Cachoeira, Lula teria pedido aos petistas e aliados para pouparem o “amigo” Serginho Cabral.

Só no ano passado, o Governo Cabral reservou para pagar R$ 36 milhões à Delta por serviços e obras contratados, sem licitação. Pelos dados obtidos no Sistema de Administração Financeira do Estado (Siafem), entre julho e dezembro de 2011, foram empenhados R$ 22,7 milhões para a Delta. Este ano, foram mais R$ 13 milhões. Em cinco anos, a Delta faturou R$ 1,5 bilhão em contratos com o governo Cabral. Mas ele jura que nada sabia sobre os negócios do íntimo amigo. A Velhinha de Taubaté acreditará no Cabralzinho...

Inimigo figadal de Cabral, Antony Garotinho quer ver a caveira de seu ex-aliado e revelou provas da intimidade entre o governador do Rio e o empresário Fernando Cavendish – que também fez jogo de cena ao se afastar do comando da Delta. O ex-governador e atual deputado federal Garotinho, desde quarta-feira passada, publica uma série de fotos e um vídeo (acima) que ligam, umbilicalmente, Cabral a Cavendish. O mais escandaloso deles é do jantar no restaurante do Hotel de France, em Mônaco, em 17 de setembro de 2009.

As imagens mostram a luxuosa comemoração do aniversário da mulher de Cabral, Adriana Anselmo. Cavendish aparece com sua então noiva, Jordana Kfouri, o secretário estadual de Saúde, Sergio Côrtes, e esposa, além de um casal não identificado. Cabral até incentiva o amigo a a marcar logo o casamento com Jordana e planeja detalhes das comemorações. Tragédia do destino, Jordana faleceu em junho de 2011, no acidente de helicóptero que matou outras seis pessoas (entre elas a namorada do filho de Cabral) que iam para a festa de aniversário de Cavendish, em Porto Seguro.

Cabral agora tenta fugir de ligações com Cavendish, depois que relatórios da Polícia Federal, na Operação Monte Carlo, acusam a Delta de ser a financiadora de empresas fantasmas criadas pelo contraventor Carlinhos Cachoeira. O governo fluminense também solta notas para alegar que Cabral esteve na França (aliás, não sai de lá), em viagem oficial. E o governador, mesmo viajando a trabalho, jura que todas as despesas de luxo foram pagas do seu próprio bolso. Inclusive o jantar de 7 mil euros em Mônaco. Cabral merece aplausos do eleitor fluminense, por ser um governante que paga para trabalhar, mesmo representando o estado em Paris ou em outros paraísos fiscais menos votados, como Mônaco, Ilhas Jersey e adjacências.

Em qualquer lugar sério do mundo, Cabral já estaria na ponta da CPI. O vídeo dele já ganhou até uma versão-piada:



Banqueiro Macedo versus Santander

Suspeitas, no submundo do mercado financeiro, para explicar por que a Rede Record resolveu, subitamente, produzir matérias-editoriais contra o banco espanhol Santander.

O Bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal e proprietário da Record, estaria PT da vida com a turma do Santander por ter atrapalhado a expansão do Banco Renner – do qual o império do religioso é acionista.

Mas só Deus deve saber o real motivo da bronca de Macedo com o Santander...

O alvo

A mira dos editoriais da TV de Macedo recaiu sobre o presidente mundial do Santander, Emílio Botín.

Segundo lembrou a Record, ele, o irmão Jaime e os filhos são investigados por manter uma conta ilegal na Suíça com mais de 200 milhões de euros, cerca de R$ 500 milhões.

Botín ainda é acusado por envolvimento com o juiz espanhol, Baltazar Garzón, expulso da carreira por um caso de escutas ilegais, e que teria recebido dinheiro do banco Santander para inocentar o presidente da instituição de um caso em que ele era réu.

Piada séria


Um dos interlocutores do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, fez ontem uma revelação engraçada a um jornalista que cobre o caso.

Cachoeira caiu na gargalhada ao ver a lista de parlamentares que fazem parte da CPI que o investigará no Congresso.

Os risos são porque a maioria deles deve algum tipo de favor ao contraventor...
Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Abril de 2012.

4 comentários:

Anônimo disse...

Só mesmo em ditaduras sanguinárias, repressivas e totalmente corruptas è possível a prática deste inaceitável crime numa democracia por parte do STF e do STJ.

Judiciário totalmente pôdre! Justiça na m@rda! Depois disto, já nada falta neste Brasil de lulla e sua gangue!

"STF e STJ, covis de bandidos de toga com a falência definitiva do poder judiciário?

Por Geraldo Almendra (*)

Divulgada na Internet uma suposta ordem do STF para que a Polícia Federal lhe entregasse toda a documentação das operações Monte Carlo (Demóstenes vrs Cachoeira) e Las Vegas (Cachoeira vrs Cúpula do Judiciário).

A mesma fonte denuncia que nos bastidores do Covil de Bandidos – poder público – corre a informação do envolvimento, em maior ou menor grau, de nove ministros do STJ e quatro do STF com esses escândalos de corrupção.

O fato de supostamente e inexplicavelmente o STF ter ordenado que não ficasse nenhuma cópia de qualquer documento de posse da Polícia Federal (me engana que eu gosto) agrava e muito que as denúncias possam ter embasamento real.

Esse cenário institucional – embasamento real – poderá definir a falência definitiva do Poder Judiciário no país.

Diante dessa suposição, se comprovada totalmente ou parcialmente verdadeira, qual será a reação da sociedade? Qual será a reação das Forças Armadas diante da suposta falência do Poder Judiciário? Qual será a reação da banda boa do Poder Judiciário e da Polícia Federal, absolutamente desqualificada por essa ordem do STF que é totalmente ilegal e denuncia um hediondo abuso de poder porque não foi submetida previamente ao seu plenário para ser votada?

Estamos diante – se comprovado – de um gravíssimo cenário de desordem institucional que poderá ter três consequências prováveis:

- Um abafa geral o que significaria a formalização pública do Regime Fascista Civil com o aval das Forças Armadas e a desqualificação formal do Poder Judiciário como defensor da ordem legal no país, ficando ainda absolutamente comprovada que o termo Covil de Bandidos é a única qualificação possível para o poder público;

- Uma dura reação nascida no próprio poder público para promover a destituição desse Regime Fascista Civil disfarçado, com o apoio da sociedade, da Polícia Federal e das Polícias Civil, Militar e com total de oficiais das Forças Armadas - não vendidos ao poder executivo - e a convocação de novas eleições gerais;

- Uma reação social – podendo descambar para uma guerra civil com a convocação das milícias petistas pela presidente para saírem às ruas – em larga escala com o apoio de instituições civis e das Forças Armadas, impondo através de uma junta civil-militar a destituição do desgoverno petista e a destituição do Congresso Nacional, com a prisão de todos os envolvidos e o consequente cancelamento de qualquer foro privilegiado.

- Será que a Sra. Hillary Clinton está acompanhando pela mídia a comprovação do teor da sua absurda idiotice ao declarar em entrevista coletiva que o governo brasileiro estaria dando um exemplo para o mundo sobre o combate à corrupção?

- Será que as malas e os passaportes italianos já estão prontos para partir levando de lembrança o crucifixo do gabinete presidencial?"

http://brasilacimadetudo.lpchat.com/index.php?option=com_content&task=view&id=12342&Itemid=141

Kozel® disse...

"É inadmissível que o Brasil, que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com os juros mais altos do mundo"

Serrão,será q a presidanta tá batendio de frente contra a tal de oligarquia financeira internacional?

augusto disse...

Essa ladainha não engana mais ninguém,porque a população da cabralândia está comendo o pão que o diabo amassou.Vamos ver quanto tempo a mídia vendida vai segurar essa onda.

Marcelo Delfino disse...

Eu sei qual é a bronca do Grupo Record-IURD com relação ao Santander. O banco espanhol tem vários numerários e/ou simpatizantes da Opus Dei entre seus acionistas e/ou dirigentes. É briga entre corporações religiosas. É mais que briga de bancos.