sábado, 21 de março de 2015

Operação Lava Jato ou como a História se repete


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ricardo Bergamini

Na década de 1980 fui executivo financeiro da IESA - Internacional de Engenharia S/A, empresa onde conheci o meu amigo pensador Paulo Rabello de Castro (palestrante de economia), que é uma das empresas investigadas pela operação lava jato.

Posso afirmar que não há nada de novo no que já era feito naquela época, ou seja: fazer parte de um clube de empresas para participar do rodízio, colocar um “over price” nos contratos e a cada recebimento de fatura repassar o valor do “over price” para uma empresa de consultoria indicada pelo contratante (na minha época eram empresas que aprovavam a qualidade da obra denominada de teste de aceitação). Cabe lembrar que: essa prática era adotada por todas as empresas estatais e governos e não existe outra forma de trabalhar já que a regra era institucional.

A regra era tão institucional que o presidente da IESA na época era o Dr. Sérgio Franklin Quintela, que hoje é um dos membros do conselho de administração da Petrobrás.

Quanto a Petrobrás sugiro pesquisar artigos do jornalista Paulo Francis, escritos na década de 90, onde sempre denunciou para o vento a corrupção na Petrobrás. Por isso o CAZUZA foi muito feliz ao afirma que o Brasil era um museu de grande novidade, ou seja: todos diariamente nos indignamos com fatos antigos e repetitivos (anões do orçamento, Carlinhos Cachoeira e a Delta, etc). 

Como toda a minha vida profissional foi vivida dentro da área financeira das empresas e dos bancos poderia escrever um livro sobre corrupção.
Temos que admitir que vivemos em um país com deformação cultural do cinismo e da hipocrisia, haja vista que todos criticam a sonegação de impostos, ao mesmo tempo em que todos sabem que não há como manter nenhuma atividade econômica sem sonegar impostos.

Para encerrar o meu depoimento devo dizer que concordo plenamente com senhor Paulo Roberto Costa (ex- Diretor da Petrobrás) quando afirma em seu depoimento que não existe doação legal para partidos e políticos. Inexoravelmente todas tem como origem a corrupção. O resto é debate de bêbados. Diga-se de passagem, não podemos nos esquecer que foram as mesmas palavras ditas pelo Paulo Cesar Faria tesoureiro do Collor m 1992. Mais uma vez o museu de grandes novidades.


Ricardo Bergamini é Economista.

4 comentários:

Anônimo disse...

Concordo plenamente com as ideias apresentadas.. mas qual a diferença entre o antigo e o de agora ?? É no percentual...antigamente era 10% ou 15%....agora é 200%...UMA OBRA DE x CUSTA 3x.. E QUEBROU TODAS AS ENPRESAS...

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O Dr.Ricardo Bergamini para mim é a maior autoridade brasileira em economia. Ele conhece não só a teoria,como a prática,conforme narra. Os estudos diários que ele faz sobre as contas públicas são surpreendentes.Mas as autoridades não dão "bola". O "Sistema" acha que ele é "perigoso". Por isso ele é descartado. Esse "cara"teria que ser ministro. Da Fazenda. Mas os bons não têm vez. Só os falsários e bandidos.

Anônimo disse...

Essa tese do nobre colega serve como uma luva aos LARÁPIOS DO PT!! Parabéns.

Paolo Hemmerich

Anônimo disse...

Brasil mostra tua cara.

CAZUZA