segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Malabarismos Linguísticos



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Sempre ao melhor vocábulo me agarro. Conto-lhes a história do carro atolado no barro que levou seu dono avaro a consertar avarias em Avaré.

É pura prosápia chamar tilápia de Saint Pierre. Em matéria verbal não há quem não erre.

De mais a mais, tanto faz. O escriba pêco ou o pândego não logram massagear suas vaidades, nem com mentiras, nem com verdades.

Vivemos a Era do Efêmero.

Aos jovens, nada lhes prende o interesse por mais de quinze segundos. Geração videoclip.

Antigamente os Pontífices usavam a tiara. Até que um bocó abandonou-a à própria sorte. O “triregno” olvidado do Sul ao Norte.

Sem esperanças, enfim, hoje temos um papa-capim.

Só comete desatino esse cara argentino.

Se na amazônica floresta entrar, belo corretivo há de tomar.

Dona Onça nos desanima. Nem f... nem sai de cima.

Macri ou Macron; quem é mais amigo do Gardelón?

Belo “imbroglio” faz o tal “bergoglio”.

É tempo de jaburú. Levanta o rabo que vai clister na rima.

A exCãomunhão é só bravata; bergantim travestido de fragata.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse papa não passa de mais uma marionete de globalistas. Os globalistas estão usando-o para nos roubar a Amazônia.

aparecido disse...

Papa capim ...muito boa... quem for a Roma que leve uma porção a sua santidade....