segunda-feira, 30 de março de 2020

Disrupção Chinesa


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Na contramão da história está a maioria dos Países que não tem setor de saúde forte e equipe preparada para combater pandemias. O Brasil está num quadro pouco melhor do que os Países vizinhos, mas veremos por quanto tempo suportará essa maledicência. Digo que o primeiro ano de 2020 combaterá as consequências do virus e em 2021 a luta será para apreendermos as causas e melhorarmos bastante a civilização e seu conceito.

Primeiro ponto: a saúde é e sempre será um bem social. Quem quiser dela fazer um comércio quebrará a cara. Assim, os hospitais, laboratórios e planos de saúde, alguns com ações listadas nas bolsas de valores. Segundo: que a dependência excessiva de alguma potência é maléfica por isso é fundamental abertura de mercados e parcerias. Por último: a globalização foi um grande fator de distribuição de miséria e pobreza concentrando bilhões em mãos de poucos cidadãos e empresas de tecnologia.

Agora o essencial é saber que tecnologia produzimos se a humanidade, em pleno século XXI, luta desordenadamente para extirpar um vírus e se torna dele refém com bilhões de pessoas em suas próprias casas num confinamento extremo.

O que chama mais a atenção no momento é que o governo dos EUA e o FMI, e também o Banco Mundial, todos deverão socorrer países periféricos com alguns trilhões de dólares sob pena de colapso total da economia, desemprego, graves crises sociais e o mais assustador epidemias em ritmo de progressão geométrica.

Cabe agora ao Presidente Trump o teste final, na reta de sua campanha, vai ser América first, e quebrar todo o continente, ou olhará com atenção para evitar a
propagação da fome e um espírito socialista comunista que domina os ares impuros de uma geração tomada de desassossego, medo, intranquilidade e incerteza.

Os Países emergentes não aguentarão mais algumas semanas sem ajuda externa, e o Brasil terá que se submeter a uma rodada de negociação para que o dólar despenque para 3 reais, unica razão para não desabastecer a indústria e propiciar larga importação de produtos já ausentes nas indústrias, no comércio e nos mercados de modo geral.

Bendita crise cujo desafio pioneiro é mostrar que os Países fortes olham de maneira solidária para os mais fracos que precisam de aportes e ajuda financeira substancial para sair do manancial dos problemas que eclodirão em vários anos, fruto de um freio de desarrumação brutal na vida de uma Nação.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Um comentário:

Carlos Coutinho disse...

Todos Países do planeta tem que tomar providencias contra CHINA, o número de MORTOS que a CHINA provocou ; não pode passar desapercebido, além dos vultosos prejuízos que a CHINA causou para a Economia do Planeta.