sexta-feira, 20 de março de 2020

Nossa angústia e o instinto de fera



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant’Ana

Quem não estará com o coração fragilizado? Quem, com esta maldita pandemia, não foi tomado pela angustia? É humano e até sinal de sanidade sentir tristeza nesta hora.

Por razões que não vêm ao caso, estava eu desconectado pelo dia inteiro, fato que deu causa à surpresa. Fui atraído pelos gritos e parei para entender. Imaginei hienas. Já explico.

Hienas têm instinto aperfeiçoado para identificar um animal ferido e, por conseguinte, vulnerável. Hienas são oportunistas. E tiram proveito da fragilidade de suas vítimas. É seu jeito de sobreviver.

Fui à janela averiguar. Na noite de 18/03/2020, o Centro Histórico de Porto Alegre foi assombrado por hienas que, farejando a fragilidade emocional de toda a gente, mostraram o seu oportunismo. Num ponto determinado, próximo do meu edifício, Usando uma trombeta e batendo panelas, havia um grupo aos gritos de "Fora Bolsonaro!".

Lembrou o horrendo espetáculo da noite do dia 28/10/2018, que esta coluna registrou, quando Jair Bolsonaro foi eleito. O Centro Histórico parecia, então, como também desta vez, um hospício. Na ocasião, como agora, vozes femininas gritavam "Ele não!". Só que, naquele dia, havia uma alegria generalizada que neutralizou o desvario.

Fui para a internet. E só aí compreendi. As hienas sentiram o cheiro da nossa tristeza, da angústia, da incerteza e do medo. E, como sempre, foram oportunistas: organizaram um panelaço. Era o que faltava...

Estamos tristes. É natural. Mas haveremos de achar um sentido para o sofrimento. Faremos a dura travessia e, no final, sairemos mais fortes. E não entregaremos a alma às hienas.

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. E-mail: sentinela.rs@uol.com.br

Nenhum comentário: