segunda-feira, 4 de maio de 2020

Escrotizando



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Lucius van Deck

Quando disse pra minha filha lourinha que ia escrever uma croniqueta intitulada escrotizando, ela me cortou no ato: pai não gosto dessa palavra! A outra filha: pai, que horror!

Elas têm toda a razão, posto que esta palavra não é bem vista nos salões de fino trato e não existe o verbo escrotizar.
Consequentemente, não tem gerúndio, o que  deveria impedir que os purificados com os óleos  sagrados da hipocrisia e da maledicência saíssem por ai escrotizando a língua, a nação, as teses doutrinárias, as pessoas.
Mas não é por falta do verbo e do seu gerúndio que o supremo tribunal federal (assim mesmo  em letras minúsculas) escusa-se de escrotizar o Direito.
Criaram três teses.
A primeira chama-se mutação constitucional, algo para dizer que se exploda a Constituição, que se faça letra morta do que está no livrinho, posto que outro valor mais alto se alevanta.
A outra chama-se abstrativização do controle difuso.
Serve para provocar náuseas.
A terceira: transcendência dos motivos determinantes.
É evocada para varrer a justiça para debaixo do tapete.
Para o leigo, é o mesmo que tivessem dito que em matéria de principalmente não há nada como certas coisas.
Abordando o publicado em sede de mutação constitucional (argh!) sobre comércio eletrônico, extraímos de uma longa tese doutrinária um texto psicografado merecedor de figurar nos escritos de Stanislaw Ponte Preta, notadamente no antológico  FEBEAPÁ – Festival de Besteiras que Assola o País.
Ajeitei o meu escritório, apaguei a luz, acendi sete velas. Instantes depois, baixou o Stanislaw. Depois de uma introdução eivada de grunidos de baixa intensidade, disse-me coisas assim, que intuí provenientes da excelsa alta corte constitucional, agora sob notória influência da mutação constitucional.
“Nos últimos anos, muita pesquisa foi dedicada à implantação do comércio eletrônico da Internet, mas poucos investigaram a simulação de redes de área ampla. Neste documento de posição, não confirmamos o entendimento da World Wide Web. A noção de que os teóricos colaboram com a transcendência dos motivos determinantes do aprimoramento de algoritmos aleatórios é principalmente considerada importante. A análise do cálculo lambda amplificaria tremendamente o refinamento da World Wide Web.”
“Portanto, o design que o YnowHip usa é solidamente fundamentado na realidade. Apesar de ser um objetivo inteiramente confirmado, possui ampla precedência histórica, apta a figurar em tese de abstrativização do controle difuso.”
Para concluir, diretamente de Brasília, o espírito stanilawstico arrematou:
“ Nesta tese, em sede de mutação constitucional difusa, demonstramos que o esquema e o registro write-ahead raramente são incompatíveis. Para alcançar essa ambição por kernels no comércio eletrônico, a construção abstrativizada do controle difuso em obediência a transcendência dos motivos determinantes permitiu concluirmos que a legitimidade da venda através do comércio eletrônico de aparelhos destinados a estimular a libido é mais significativa do que nunca, e que a metodologia YnowHip ajuda os usuários finais a fazer exatamente isso.”
Caros fieis leitores: se vocês não entenderam “po**a” alguma, tal se deve à libertação de  ventos virulentos, até então estocados em Brasília, que vêm escrotizando tudo e todos. 
Lucius van Deck é coronel da Força Aérea Brasileira e já está reformado. É, também, advogado , poeta e escritor, com vários livros publicados.

Nenhum comentário: