quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Falta uma política objetiva de desenvolvimento da Ciência & Tecnologia no Brasil


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Maynard Marques de Santa Rosa

Enquanto muitos brasileiros bem informados dispersam tempo e energia em querelas irrelevantes, ficam as demandas relevantes relegadas ao arquivo morto da realidade. A agenda midiática imita a atitude dos primazes ortodoxos reunidos em concílio, no ano de 1453, durante o cerco de Constantinopla pelos turcos otomanos: o sexo dos anjos.      

É assim que a preocupação com o consumo governamental de leite condensado transcende a magnitude do “gap” tecnológico do país, que cresce a cada dia em relação ao estado da arte.  

O valor da importação de vacinas estrangeiras precede a verdadeira questão de mérito: por que não há uma vacina nacional contra o corona vírus?

Aqui, a pesquisa científica é um tabu confiado a poucos. À exceção dos institutos militares, a desarticulação das pesquisas, a inexistência de metas e a indefinição dos recursos comprometem a produtividade. A integração dos bancos de dados é, praticamente, inexistente; e a comunidade científica trabalha de modo desordenado, com dispersão de esforços e grande concentração de personalismo e interesse econômico.  

No Hemisfério Sul, o Brasil desponta como vanguarda da esperança na erradicação do flagelo das moléstias tropicais e na profilaxia das arboviroses. No entanto, o que exprime a nossa realidade é a ausência de uma política objetiva e o contingenciamento anual de R$ 2,198 bilhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FNDCT.  

Além disso, o nosso atraso não se resume à área funcional da Saúde. Há três anos, a comunidade científica brasileira foi surpreendida pelo lançamento de um nano-satélite argentino, com foguete próprio, e a sua colocação em órbita, enquanto aqui, uma pendência local de quilombolas impede, até hoje, a implantação da base de Alcântara.   

No campo nuclear, são notórios os avanços da Índia e de outros Estados periféricos em relação ao Brasil, mesmo detendo a ponta da tecnologia de enriquecimento de urânio, duramente conquistada por cientistas brasileiros nas décadas de 1970/80. Até o momento, não conseguimos industrializar o processo que poderia nos dar a autossuficiência. 

Enquanto isso, aprofundamos a dependência no campo digital e na robótica, e nos tornamos vulneráveis no domínio cibernético.

A reflexão a que estamos condenados pelo confinamento poderia ser útil ao Brasil, se aproveitada como oportunidade para meditar, debater e talvez curar a cegueira nacional.

General de Exército Maynard Marques de Santa Rosa é oficial reformado do Exército Brasileiro, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras (Resende/RJ), tendo servido em 24 Unidades Militares do Território Nacional durante 49 anos de atividade na carreira. Possui mestrado pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Rio de Janeiro e doutorado em ciências militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, também do RJ. No exterior, graduou-se em Política e Estratégia, em pós-doutorado no U.S. Army War College (Carlisle/PA, 1988/89). Foi Ministro-chefe da secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE), no Governo Bolsonaro (2019).


Um comentário:

Anônimo disse...

Na questão do leite condensado, Olavo de Carvalho já havia falado da perda do senso de proporções, mas os militares não reconhecem o valor do professor.
Um dos recursos usados pelos socialistas, para encobrir algo que não lhes interessa seja revelado, é a verborragia irrelevante. Cabe procurar o que eles estão escondendo, com essa questão do leite condensado.
No litígio dos quilombolas, o general não sabe da ação dos globalistas na tentativa de afetar nossa soberania usando grupos minoritários e a questão ecológica? Ele, como parte da elite nacional, é que precisa apresentar respostas (e soluções), não perguntas.